Menu
Busca sábado, 15 de junho de 2024
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
30º
BOI GORDO

Valor da arroba recua em SP e também fica abaixo dos R$ 300,00

Animal com padrão para exportação ao mercado chinês recua R$ 5/@ nesta quinta-feira, 22 de setembro, para R$ 295/@

23 setembro 2022 - 07h37Por DBO Rural

Depois do boi “comum”, destinado ao mercado interno, foi a vez do animal com padrão exportação – o chamado “boi-China” – perder valor no mercado de São Paulo. Pela apuração diária da Scot Consultoria, o macho negociado de acordo com as exigências dos importadores chineses (abatido mais jovem, geralmente com idade abaixo dos 30 meses ou com até quatro dentes) recuou R$ 5/@ nesta quinta-feira (22/9), atingindo R$ 295/@ no mercado do interior paulista (valor bruto e a prazo).

Por sua vez, relata a Scot, o preço do boi gordo “comum”, que recuou nos dias anteriores desta semana, “parece ter encontrado um limite”, registrando estabilidade nesta quinta-feira. Com isso, o animal paulista segue negociado a R$ 285/@, enquanto a vaca e a novilha gordas são vendidas, respectivamente, por R$ 270/@ e R$ 280/@ (preços brutos e a prazo), de acordo com a Scot.

Embora o valor do boi-China tenha registrado recuo em São Paulo, as exportações brasileiras de carne bovina continuam aceleradas neste mês, desempenho puxado sobretudo pela forte demanda chinesa, de longe o principal comprador internacional da proteína brasileira. A média diária de carne bovina in natura exportada pelo Brasil, até a terceira semana de setembro, foi de 10,37 mil toneladas, volume 16,5% maior frente à média do mesmo mês em 2021.

Historicamente, durante o segundo semestre, os preços do boi gordo tendem a seguir trajetória de alta, refletindo a escassez de animais terminados a pasto. No entanto, o período de entressafra deste ano está sendo marcado por um comportamento historicamente diferente, relata a Julia Zenatti, analista de mercado da Scot Consultoria. “Os preços da arroba, que geralmente sobem de julho a setembro, caíram consideravelmente”, destaca ela.

Comparado ao valor do boi gordo de setembro/2021, em termos nominais, os preços atuais da arroba paulista caíram 5,1%. Em termos reais (deflacionado pelo IGP-DI) houve retração de 13,1%, informa a analista da Scot. Segundo Julia, “a oferta de animais é confortável para o período, principalmente em função da comercialização antecipada de boiadas e a maior participação de fêmeas no abate no primeiro semestre, fatores que, em meio a um consumo doméstico ainda patinando, pressionam as cotações da arroba”.

Nos últimos sete dias, em levantamento realizado pela Scot Consultoria, o boi gordo em São Paulo recuou R$ 5/@, para (os já mencionados acima) R$ 285/@. “Mesmo com as exportações em um dos melhores patamares, o consumo enfraquecido no mercado interno tem travado o escoamento da carne bovina”, justifica a analista, que acrescenta: “Por ora, com a proximidade do final do mês, a tendência é de que o mercado do boi gordo siga o caminho frio dos últimos meses, apesar da mudança de estação”.

Com o início de primavera, o tempo chuvoso começou a dar a cara em boa parte dos Estados brasileiros, observa Julia. “O período marca o início da rebrota do capim e aproximação do fim do período de entressafra”, relata. Na maior parte das regiões monitoradas pela IHS Markit, o mercado do boi gordo aguarda novidades em termos de demanda, o que favorece a lateralidade nas indicações de preço.

“Apesar da pressão baixista imposta pela fraca procura por animais, ainda foi possível observar algumas indústrias comprando lotes para compor lacunas em suas escalas de abate”, informa a IHS. Porém, segundo a consultoria, há operações programadas de abate entre os frigoríficos brasileiros que já avançam para além dos primeiros dias de outubro.

“Este alongando das escalas se dá pela necessidade de garantir oferta de animais diante da perspectiva de recuperação do consumo doméstico com as festividades de final de ano”, justifica a IHS. No mercado atacadista, a maior parte dos cortes seguem com preços inalterados, segundo levantamento da IHS.

“O ambiente de negócios continua evoluindo de forma lenta; a reposição dos estoques permanece abaixo das expectativas do setor”, relatam os analistas. Entre os principais cortes bovinos, a carcaça (vaca casada) registrou queda nesta quinta-feira. “A estratégia das indústrias é realizar ajustes pontuais nos preços visando manter minimamente regular o fluxo de escoamento, sobretudo frente aos baixos preços das proteínas concorrentes”, observa a IHS.