Menu
Busca segunda, 28 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
34ºmax
24ºmin
Notícias

Usina de Eldorado pode ser retomada

01 novembro 2011 - 10h53Por Correio do Estado

O grupo paranaense Santa Terezinha, que faturou R$ 1,49 bilhão em 2010, estuda retomar a construção da Usina Rio Paraná, localizada no município de Eldorado, Conesul do Estado. A unidade, projetada para produzir apenas etanol, está com 70% das obras industriais concluídas e com parte dos canaviais implantados.

O grupo calcula que serão necessários investimentos na indústria de cerca de R$ 100 milhões, além dos aportes na área agrícola.

O terreno para a construção da usina foi doado pela prefeitura de Eldorado, durante a gestão da atual deputada estadual Mara Caseiro (PTdoB).

Ela se reuniu hoje (27), com o presidente da Câmara do município, Joil Moreira Marques (PR), para discutir a questão. O vereador solicitou que Mara interceda junto à secretária Tereza Cristina Corrêa da Costa (Produção e Turismo) e ao governador André Puccinelli (PMDB), para acelerar este processo.

“Queremos saber dos empresários qual a perspectiva real de retomada, término das obras e o efetivo começo dos trabalhos, que vão gerar muitos empregos em nosso município”, comentou Joil.

Mara afirmou que fez contato, no início do mês de julho, com os proprietários da usina, que garantiram a breve retomada das obras. Esta semana, também conversou com a secretária Tereza Cristina sobre o assunto.

Ela confirmou que os empresários do grupo paranaense Santa Terezinha já entraram em contato com o governo, solicitando apoio para dar continuidade ao projeto, que deve gerar mais de 2 mil empregos diretos na região.

A unidade foi projetada para moer inicialmente 2,5 milhões de toneladas de cana, mas por enquanto, só tem 500 mil toneladas da matéria-prima disponíveis no campo.

A expectativa do grupo é de que seja possível preencher essa capacidade a partir de 2014/15.

Neste momento, a Santa Terezinha toca o projeto de elevar a oferta de cana nas suas oito usinas já em operação, todas no Paraná.
Em torno de R$ 200 milhões estão sendo aplicados neste ano para renovar 44 mil hectares e expandir outros 13 mil hectares.

Esses aportes devem ajudar a empresa a alcançar moagem de 19 milhões de toneladas daqui a três anos.