Menu
Busca terça, 11 de agosto de 2020
Busca
(67) 99826-0686
Campo Grande
33ºmax
20ºmin
Notícias

Subvenção para seguro rural beneficia mais de 56 mil produtores

27 abril 2010 - 00h00Por Mapa.

O Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) beneficiou 56,3 mil produtores, em 2009, garantindo a importância segurada de R$ 9,7 bilhões e cobrindo área de 6,7 milhões de hectares de lavouras, 11% da área ocupada pela agricultura brasileira. Para chegar a esse resultado, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) aplicou R$ 260 milhões no pagamento de subvenção, crescimento de 65% em relação a 2008, quando foram aplicados R$ 158 milhões.

Pelo PSR, o Mapa paga parte do prêmio do seguro rural contratado pelo agricultor, que também desembolsa uma parcela, conforme o percentual estabelecido para cada produto. O ministério repassa a diferença para a seguradora. O limite de subvenção por produtor rural/ano é de R$ 96 mil na modalidade agrícola e R$ 32 mil para pecuária, florestas e aquicultura.

“O governo continuará priorizando a consolidação do seguro rural para beneficiar cada vez mais produtores com esse tipo de garantia”, considera o diretor do Departamento de Gestão de Risco Rural do Mapa, Welington Almeida. Ele explica que a crescente adesão ao seguro rural no País é resultado da confiança entre os três segmentos: governo, produtores e seguradora.

Em 2009, o produto que mais demandou subvenção foi a soja, com R$ 98 milhões desembolsados, crescimento de 40% em relação a 2008. O seguro para a soja cobriu quatro milhões de hectares. A segunda lavoura mais protegida pelo programa foi o trigo, com mais 206%, desbancando o milho, que ficou em terceiro lugar no ranking. Novas culturas passaram a demandar mais recursos do PSR, como o café, cujo valor subvencionado cresceu de R$ 146 mil em 2008 para R$ 1,7 milhão em 2009.

Sinistros - Em 2009, cerca de 14 mil avisos de sinistros foram comunicados às seguradoras que operam com o PSR, que pagou R$ 278,5 milhões em indenizações aos produtores rurais. Os produtos mais afetados por intempéries climáticas foram o arroz irrigado do Rio Grande do Sul, pelas inundações, a maçã de Santa Catarina e a uva do RS, em decorrência do granizo.