Menu
Busca segunda, 28 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
34ºmax
24ºmin
Notícias

Produtores rurais devem antecipar compra de fertilizantes em 2012

12 janeiro 2012 - 11h15Por CANAL RURAL

Com o mercado aquecido no mês de janeiro, produtores rurais devem antecipar as compras de fertilizantes. A Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda) deve divulgar os números de 2011 a partir de fevereiro. Entretanto, a estimativa é de que a entrega do produto no ano passado tenha ficado em cerca de 28 milhões de toneladas. Caso o número seja confirmado, significará aumento de mais de 14% em relação a 2010. O diretor executivo da entidade, Davi Roquetti Filho, afirma que não há previsão de preços, em função da crise econômica internacional, mas espera que agricultores brasileiros mantenham investimentos em 2012 e comprem adubo com antecedência.

– Como ele está rentabilizado em relação à excelente performance de 2011, eu creio que o investimento no pacote tecnológico será continuado até para garantir a sua produtividade. A decisão de compra de fertilizante, entre uma série de outras variáveis, será tomada principalmente pela relação de troca, envolvendo o investimento versus o preço das commodities agrícolas para cada um dos produtores. Mesmo que o produtor possa ter mais de uma cultura sendo desenvolvida – diz.

Dados da consultoria Informa Economics FNP apontam preços médios mais baixos. Os valores dos produtos mais consumidos no país registraram queda a partir de dezembro, ainda conforme a empresa. O cloreto de potássio passou de R$ 1,20 mil para R$ 1,15 mil por tonelada. A ureia, de R$ 1,15 mil para R$ 1,09 mil. O índice beneficia o produtor, uma vez que os preços das commodities apresentam alta.

No entanto, analistas afirmam que o ano não começa bem para as indústrias. A consultora de mercado Elisabeth Chagas prevê perdas para o setor pelo menos no três primeiros meses do ano. A explicação é que os atuais estoques foram comprados com preços em alta e deverão ser vendidos a preços mais baixos.

– Nós teremos gente chorando e terá que acertar esse balanço lá na frente, porque não tem como vender pelo preço de reposição – aponta.