Menu
Busca quinta, 17 de junho de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
26ºmax
15ºmin
Notícias

Preços caem e margem dos frigoríficos, que deveria estar em crescimento, segue estreita

16 agosto 2016 - 00h00Por Scot Consultoria

Sazonalmente, neste período do ano, a receita dos frigoríficos começa a crescer, até atingir o pico em novembro, quando se concentra o pagamento de bonificações, parcela do décimo terceiro e as contratações temporárias, e isso é o que dá “permissão”, fôlego, às indústrias para pagar mais pela arroba na entressafra.

O que se vê em 2016, porém, é o inverso. O resultado das indústrias tem diminuído quase que linearmente.

 

No acumulado da semana passada houve queda de 0,7% nos preços dos cortes bovinos sem osso no atacado. Desde o começo do ano, a desvalorização foi de quase 14,0%.

 

Ou seja, a dificuldade para valorizações da arroba no segundo semestre se dá, exatamente, por isso. Aparentemente, sem melhora na receita da indústria, em função da dificuldade para precificar a carne, resultado da situação econômica, vai ser difícil ver o boi gordo com grande alta nos próximos meses.

 

A boa notícia vem das exportações. Embora seja o resultado apenas da primeira semana, os embarques médios diários voltaram a crescer em agosto depois da queda do mês anterior, comparando com dados do mesmo período de 2015.

 

Atenção às indústrias e, ao pecuarista, cuidado com o excesso de otimismo para os preços no segundo semestre.