Menu
Busca sábado, 19 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
32ºmax
21ºmin
Notícias

Preço do feijão recua em janeiro, com escassez de produto de qualidade

01 fevereiro 2011 - 00h00Por Agência Safras

A última semana de janeiro encerra com cenário de escassez de feijão de melhor qualidade, mercado calmo, compradores retraídos e queda nas cotações. "A situação de clima desfavorável em momento de colheita da primeira safra nas regiões produtoras torna o atual momento difícil para o mercado de feijão brasileiro", afirma a analista de Safras&Mercado, Carla Michele Corbeti.

O decorrer da semana foi marcado pelo desinteresse dos compradores pelos lotes remanescentes. "O balanço do mercado na segunda quinzena de janeiro é de preços ainda sem suporte e tendendo a piorar com a tomada de corpo da colheita do Paraná, que já ultrapassa os 47%", explica a analista.

Para a próxima semana, com a melhora do tempo em algumas regiões produtoras, espera-se a entrada de feijão de melhor qualidade no mercado. "Ainda assim, para o curto prazo é difícil vislumbrar uma reação consistente e permanente nos preços, exceto por uma quebra muito grande da produtividade paranaense", diz a analista.

No mercado atacadista de São Paulo, os referenciais de preços estão em baixa. Durante a semana compreendida entre os dias 24 e 28 de janeiro, o mercado recebeu a entrada de novos lotes, porém, em sua maioria, grãos bastante úmidos e de coloração mais escura, não gerando atração da força compradora que ainda está recuada. Uma quantidade muito pequena de feijão de qualidade esteve presente na metade da semana saindo em torno de R$ 90 por saca.

O carioca especial ficou cotado em média a R$ 83,33 por saca de 60 quilos. Em relação à média da semana anterior, o grão sofreu queda de 2,9%. O feijão especial encerrou a semana cotado em torno de R$ 77,50 por saca de 60 quilos, sem alteração nos referenciais em relação à semana anterior.

No mercado de feijão preto, o mês de janeiro encerra com fraca demanda, crescente volume ofertado no mercado, tanto de feijão nacional quanto de importado. O excesso de feijão da safra das águas somado ao feijão importado, sobretudo da China, preocupa os agentes de mercado e já apresenta queda nos referenciais de preço. Na Bolsinha de São Paulo, a semana encerra com queda no preço do feijão preto extra de 1,74%, cotado em torno de R$ 82,50 a R$ 85 por saca de 60 quilos, e o feijão preto especial cotado nominalmente em torno de R$ 72,50 a saca de 60 quilos.