Menu
Busca sexta, 23 de outubro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
33ºmax
22ºmin
Notícias

JBS pronto para discutir o peso vivo com os produtores

03 fevereiro 2010 - 11h18Por Jefferson da Luz - Via Livre Comunicação

O Grupo JBS, maior produtor de proteína animal do mundo, está aberto para negociar com os pecuaristas uma nova forma de venda de gado, na qual o cálculo para o pagamento é feito pelo o que o animal pesa enquanto está vivo.

Na manhã de hoje (03), o presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Francisco Maia, recebeu os representantes do JBS Odair Campos e João Batista Rocha de Sousa. Na ocasião, foi dito que o peso vivo é uma das opções de compra do Grupo, mas que só são realizadas com pequenos produtores.

“Para nós evoluirmos na relação produtor/frigorífico temos todos de parar e conversar sobre como melhorar o relacionamento comercial”, defende Maia. O Grupo segue a mesma ideia defendida pelo presidente da Acrissul e, nos próximos meses, vai contratar pessoas especializadas em compra de gado, cada uma delas será responsável pela aquisição de 150 mil cabeças no Estado. O objetivo é justamente aproximar a indústria de seus maiores parceiros, os pecuaristas. 

O JBS está experimentando uma nova forma de comercialização, a entrega de carne em domicílio. Dessa forma, segundo Maia, também se diminui a influência dos supermercados. “Que são os que, na cadeia da carne, ficam com a maior parte do lucro”, observa.

Sousa lembrou que a compra pelo peso vivo tem muitas barreiras a serem vencidas, mas que com o diálogo é possível se implementar esse novo sistema aquisição de animais para o abate. “Tem gente que não coloca o gado em jejum. Outros já desconfiam da balança. É uma relação complicada, mas com o tempo se pode superar os obstáculos”, acredita. “O que não pode é um ficar desconfiando do outro”.

Maia propôs a Campos e a Sousa que seja realizada uma reunião com os membros da Acrissul e representantes do JBS para iniciar as tratativas visando à mudança do modelo de compra, o que foi aceito.

“Tá na hora de sentarmos e discutir claramente o nosso negócio”, finalizou Maia.