Menu
Busca sexta, 16 de abril de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
32ºmax
20ºmin
Notícias

Frigorífico nega perseguição, mas anuncia demissões

24 setembro 2010 - 11h01Por CG News
Frigorífico nega perseguição, mas anuncia demissões

 Em audiência na manhã de ontem no Ministério Público do Trabalho, entre representantes do grupo JBS/Bertin e do sindicato dos trabalhadores da indústria da carne, o frigorífico negou que tenha demitido 180 funcionários como retaliação depois de indicativo de greve. O gerente da unidade de Campo Grande garantiu que foram 52 demitidos, mas já anunciou que outros serão dispensados.

Rubens Bernardes Conceição, gerente de recursos humanos da empresa, disse que a seca prejudicou os abates, reduzidos de 2 mil para 1,2 mil diários. Com a estiagem prolongada, e a falta de bois no mercado, o trabalho diminuiu e um turno ficou ocioso, alega a empresa. “Não vamos readmitir e nem suspender eventuais demissões”, anunciou o representante do JBS/Bertin.

Já o sindicato que representa os trabalhadores garante que as demissões foram por conta da ameaça de greve e para contestar a justificativa de crise citou o exemplo do frigorífico Boi Verde, que deu férias coletivas aos empregados para evitar as demissões. “Não há justificativa”, reclamou o vice-presidente da entidade, Wilson Gimenez Gregório.

Segundo o JBS, a medida já havia sido tomada em agosto, com 580 em férias e outros 155 estão de folga atualmente. O gerente da unidade da Capital argumenta que as decisões tomadas em Campo Grande ainda são menos drásticas que em Cáceres (MT), onde a unidade foi fechada.

Ele sustenta que para escolher os 52 trabalhadores demitidos, a empresa levou em conta produtividade e número de faltas. 

A audiência foi solicitada depois de denúncia do sindicato de que 180 demissões ocorreram após a categoria aprovar indicativo de greve para 13 de setembro, por desrespeito a acordos e pagamento de benefícios extras aos trabalhadores.

Antes de decidir sobre o impasse, o promotor Hiran Sebastião Meneghelli Filho exigiu que o frigorífico apresente em 5 dias os números do Caged – Cadastro do Ministério do Trabalho, que informam demissões e contratações no período.

Também foi cobrada a lista de demissões efetuadas nos últimos 3 meses e cópia dos registros sobre cartões de ponto.

Já do sindicato foi solicitada apresentação das atas das duas últimas assembléias, acordo coletivo de trabalho e das homologações de dispensa.