Menu
Busca quinta, 22 de outubro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
33ºmax
22ºmin
Campo Grande 110 Anos

Fazendinha mostra o campo em miniatura

16 setembro 2009 - 00h00Por Folha do Fazendeiro

Trazer para a cidade a realidade do meio rural e fazer com que as crianças conheçam melhor as particularidades do setor que movimenta a economia do Estado. Essa foi a proposta que motivou Regina e Dante Tezza a montar a Fazendinha MS, um reprodução de propriedade rural feita com animais de pequeno porte para atender a eventos infantis.

O que os dois não sabiam é que esse universo que caracteriza Mato Grosso do Sul aos olhos do Brasil e do mundo também é desconhecido dos campo-grandenses adultos. “A estrutura é toda feita para crianças mas os adultos também se surpreendem com as coisas da fazendinha”, conta Regina. Entre as trocas mais comuns, a codorna é confundida com perdiz e até com marreco e a ovelha tosquiada – sem lã – com cabrito.

O desconhecimento aumenta o prestígio do empreendimento, que Regina afirma ser o único no Brasil composto por uma fazendinha itinerante. O sucesso se deve principalmente ao fato de que as crianças podem interagir com os animais. “Elas puxam, beijam, abraçam, levam para passear e alimentam os animais. Dão couve e cenoura para o coelho e a mini-cabra recebe miolo de pão. Aprendem brincando a respeitar os animais”.

A fazendinha tem coelho, codorna, mini-galinhas, ovelhas, mini-vacas, mini-cabras, pôneis e mini-pôneis. “As crianças comem ovo de codorna mas se surpreendem com o animal. Os ovos que elas põem durante a festa ficam para o aniversariante”, conta Regina. Outro animal que causa surpresa é a ovelha, e não é só aquela que está tosquiada. “As crianças só reconhecem como ovelha aquela lanada, branquinha dos desenhos. As ovelhas pretas são desconhecidas”, disse.

Normalmente locada para festas, eventos e pelas escolas, a estrutura requer o espaço de uma quadra de condomínio para ser instalada. Além dos animais, uma locação completa inclui passeios com charretes, jogos e brincadeiras infantis resgatadas do interior, tais como corrida do ovo e do saco, pular corda, etc, e uma oficina da roça, na qual as brincadeiras didáticas ensinam as crianças utilizando frutas e outros vegetais. “As crianças querem ficar até o final. Quando acaba a festa, a maioria acompanha até o recolhimento dos animais”, conta Regina.

Todo o segundo domingo do mês, das 8h às 12h, a Fazendinha MS faz uma demonstração aberta ao público dos animais, no alto da Afonso Pena. [email protected]