Menu
Busca sexta, 14 de agosto de 2020
Busca
(67) 99826-0686
Campo Grande
35ºmax
21ºmin
Notícias

Família Maeda vende controle do grupo

28 maio 2010 - 00h00Por Valor Econômico, por Daniela D'Ambrosio e Mônica Scaramuzzo.

O grupo agroindustrial Maeda, um dos maiores produtores de algodão e de grãos do Brasil, foi vendido ontem ao fundo Arion Capital, especializado na reestruturação financeira de empresas. O Valor apurou que o fundo comprou 86% da companhia por cerca de R$ 100 milhões, além de assumir a dívida. Quem está por trás desta transação, como principal investidor da Arion Capital, é o bilionário espanhol Enrique Bañuelos, que entrou no Brasil há cerca de um ano e meio comprando empresas do setor imobiliário.

A conclusão da operação está condicionada à renegociação da dívida com os bancos - nos moldes que a Veremonte, empresa de Bañuelos, fez com a incorporadora Klabin Segall. A princípio, o grupo executivo será mantido na companhia, mas o fundo vai assumir a gestão financeira. O aporte feito na aquisição será usado para capital de giro.

Segundo uma fonte envolvida na negociação, o objetivo da gestora Arion Capital e de Bañuelos é fazer do Maeda um veículo de consolidação no setor de agronegócio, a exemplo do que o investidor espanhol fez no setor imobiliário - quando se uniu à Agra para comprar Abyara e Klabin Segall e formar a Agre, recentemente comprada pela PDG Realty.

A compra do grupo Maeda abre as portas do setor de alimentos e agronegócios para Bañuelos, que já tinha planos de diversificar sua atuação no Brasil. A aquisição repete o modelo de negócios de Bañuelos, que elege um time de gestores - nesse caso, executivos com experiência em reestruturação financeira, além dos diretores do grupo que entendem do negócio - e fica na retaguarda como investidor capitalista.

Essa é a primeira aquisição do Arion Capital, que deve fechar mais três ou quatro operações durante este ano. A venda foi comandada por Renato Carvalho, ex-sócio e fundador da Angra Partners, empresa de gestão e private equity. Entre os sócios da Arion, está Flávio Souto, que foi diretor financeiro da Laep Investments.

A saída dos Maeda do controle de seu próprio negócio surpreende o mercado. Considerado um dos mais tradicionais produtores de algodão do Brasil, a família Maeda, que tem sede na região de Ituverava (SP), ajudou a expandir a cotonicultura para o Centro-Oeste, junto com os produtores gaúchos.

No início do ano passado, o então presidente da companhia, Jorge Maeda, passou a encabeçar o conselho do grupo, que faturou cerca de R$ 300 milhões. Em seu lugar, contratou o executivo Fábio Meirelles, que deverá permanecer na companhia. Os planos dos Maeda eram ambiciosos. A família planejava abrir o capital da empresa, mas foi abatida pela crise no meio do caminho. Em 2006, o grupo entrou como sócio da usina Tropical Energia, que tem a British Petroleum (BP) como controladora (50%) e o Louis Dreyfus como sócio, com 25%. A família decidiu se desfazer de seus ativos este ano para se dedicar aos grãos, seu principal negócio.

Procurado pelo Valor, Jorge Maeda confirmou a venda do negócio, mas não deu nenhum detalhe. Fábio Meirelles também foi procurado, mas não atendeu aos pedidos de entrevista.