Menu
Busca sábado, 16 de outubro de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
26ºmax
20ºmin
MERCADO

Com China ausente do mercado, valor da arroba do boi ainda sente pressão

Segundo a Safras, o mercado iniciou a semana de forma lenta, com a arroba do boi negociada a R$ 274 em São Paulo e tendência para nova queda

13 outubro 2021 - 09h26Por Canal Rural

O mercado físico de boi gordo registrou preços pouco alterados nesta segunda-feira. Segundo o analista da Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, os poucos frigoríficos que atuaram na compra de gado na véspera do feriado abriram indicação de preços em patamares mais baixos.

“O dia foi marcado pela lentidão, com inexpressivo fluxo de negócios. De qualquer maneira, a perspectiva de queda das indicações permanece. A China ainda não respondeu aos esclarecimentos do Brasil sobre os casos de vaca louca registrados em setembro. Logo, o Brasil mantém o autoembargo às exportações de carne bovina para seu principal mercado”, salientou Iglesias.

Do ponto de vista sanitário não há mais nada a fazer por parte das autoridades brasileiras. A Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) já deu o caso como encerrado e manteve o status brasileiro como de risco insignificante para a propagação da doença. “Restam assim questões comerciais. É muito provável que a China busque reduzir preços das importações em um momento de forte queda dos preços em sua suinocultura”, disse o analista.

Enquanto isso, os dados oficiais do governo brasileiro sobre as exportações de carne bovina começaram a refletir a ausência da China.

Com isso, em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 274 na modalidade à prazo, estável na comparação com a sexta-feira. Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 255, inalterada. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 271, contra R$ 272. Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 263, estável. Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 275 a arroba, estáveis.

Atacado

A carne bovina registrou preços em baixa no mercado atacadista, pelo menos para a maior parte dos cortes. “A expectativa é de continuidade deste movimento no curto prazo diante de todas as instabilidades”, disse Iglesias.

Com isso, o quarto traseiro ainda esteve precificado a R$ 21 por quilo. O quarto dianteiro cedeu, e foi precificado a R$ 14,50 por quilo, queda de R$ 0,50. A ponta de agulha caiu e teve preço de R$ 14,00 por quilo, ante R$ 14,80 na sexta-feira.