Menu
Busca quarta, 06 de dezembro de 2023
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
31º
BOI GORDO

Arroba abre a semana com preços estáveis na maioria das praças brasileiras

Indústrias frigoríficas optam pela cautela nas negociações; em SP, macho terminado para o mercado interno segue a R$ 290/@

20 setembro 2022 - 07h39Por DBO Rural

A semana inicia com estabilidade nos preços do boi gordo na maioria das praças brasileiras, informam nesta segunda-feira, 19 de setembro, as consultorias que acompanham diariamente o setor pecuário.

Segundo apurou a Scot Consultoria, nas regiões pecuárias do interior de São Paulo, os frigoríficos ainda trabalham com escalas alongadas, principalmente as indústrias exportadoras, o que resulta em certo conforto nas negociações de boiadas gordas por parte da ponta compradora.

Dessa forma, o boi gordo para mercado interno (sem prêmio-exportação) segue cotado a R$ 290/@, enquanto a vaca e a novilha gordas estão valendo R$ 270/@ e R$282/@ (preços brutos e a prazo). O bovino com destino à China está cotado em R$ 300/@ na praça paulista (valor bruto, no prazo).

De acordo com levantamento realizado pela IHS Markit, em boa parte do País, os preços permanecem estáveis em função da ausência de fundamentos que possam delinear alguma variação nas cotações. Pelos dados da IHS, nesta segunda-feira, o valor referência para o boi gordo paulista registrou queda abaixo do piso de R$ 300/@, cotado agora em R$ 295/@.

“O fraco apetite comprador das indústrias paulistas retirou a demanda por boiada gorda no mercado spot”, ressalta a IHS. Segundo a consultoria, pecuaristas de São Paulo que estavam relutantes em ofertar os seus animais a preços abaixo do piso referencial começam a ceder diante das condições de custos elevados e riscos de perda de rendimento dos seus animais.

Na avaliação dos analistas, de maneira geral, o mercado do boi gordo ainda segue em ambiente baixista, apesar do período de entressafra de animais terminados a pasto. Pecuaristas e demais agentes do setor pecuário ainda aguardam pela recuperação do consumo doméstico de carne bovina, que segue patinando mesmo com a melhoria do quadro econômico do País.

Além disso, eles esperam a entrada de dinheiro na conta da população advindo dos programas de auxílio financeiro mantidos pelo governo federal. Uma eventual melhoria na demanda doméstica por carne bovina, dizem os analistas, é gatilho que falta para um movimento mais consistente e generalizado de valorizações nos preços do boi gordo.

Segundo a IHS, as vendas de carne bovina no mercado atacado ao longo do final de semana foram fracas, condizentes com a sazonalidade do período (recuo do poder de compra da população, devido ao maior distanciamento do pagamento dos salários, no início de cada mês). “A cadeia de distribuição da carne já registra sobreofertas nas câmaras frigoríficas dos entrepostos”, relata a IHS, que acrescenta: “A toada de fraco consumo doméstico deve permanecer até a virada do mês”.