Menu
Busca sábado, 26 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
37ºmax
24ºmin
Agricultura

Setor agrícola pode perder R$ 187 milhões em virtude de ocupações de terra

26 abril 2010 - 00h00Por Agência Estado.

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgou nota estimando que o setor poderá perder R$ 187 milhões do faturamento bruto em função das ocupações de terra ocorridas este mês, durante a Jornada de Lutas pela Reforma Agrária, liderada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

As ocupações fizeram a confederação que reúne os empresários do agronegócio a instalar um gabinete de crise para monitorar e propor a criação do Plano Nacional de Combate às Invasões de Terras. A CNA reconhece que no meio rural estão os brasileiros mais pobres e desamparados que “dificilmente têm acesso a postos de saúde, vacinação para os filhos, escolas com avaliação do Ministério da Educação, atividades desportivas, programação de cultura ou lazer. Também não contam com a proteção preventiva da polícia”. Mas segundo a confederação, “essa não é a pauta dos líderes do MST”.

Contraponto

Para o coordenador do programa de pós-graduação de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB), Marcelo Carvalho Rosa, o MST ocupa áreas cuja propriedade da terra é contestável. “Boa parte do agronegócio brasileiro se estabeleceu em área de posse duvidosa”, assinala o autor de Combatendo a desigualdade social: o MST e a reforma agrária no Brasil.

Para o sociólogo, as ocupações apontam zonas, regiões e propriedades que “são locais de conflitos agrários” e “cujos índices de produtividade não atingem o mínimo necessário para cumprir a função social da terra”. Marcelo Rosa avalia que a ocupação de terra tem servido para “fiscalizar” a função da grande propriedade do País.

O acadêmico entende que as ocupações das instalações de prédios públicos também têm uma função política, de mobilização do Estado. “O MST chama a presença do Estado brasileiro para uma coisa que sempre anuncia mas sempre reluta, que é agir em relação à pequena propriedade e transformar a estruturação fundiária do país”, defende.

Na última semana, durante a Jornada Nacional de Luta pela Reforma Agrária, o MST ocupou sedes do Incra em vários Estados. Segundo o Incra, 574,6 mil famílias de trabalhadores rurais foram assentados nos últimos sete anos em 3.348 assentamentos, com área total de 46,7 milhões de hectares.