Menu
Busca sexta, 25 de junho de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
30ºmax
19ºmin
Pecuária

Para o pecuarista, o planejamento e estratégia de compra de milho este ano será fundamental

22 março 2017 - 00h00Por Scot Consultoria

“Para o pecuarista, o planejamento e estratégia de compra [de milho] será fundamental, mesmo considerando o cenário de preços mais baixos para o milho este ano.”

Esta e outras frases foram ditas por Rafael Ribeiro, zootecnista e consultor de mercados da Scot Consultoria, na entrevista abaixo.

Confira o bate papo na íntegra:

Scot Consultoria: Para iniciar nossa entrevista, gostaria que o senhor falasse um pouco sobre o que está preparando para o Encontro de Confinamento da Scot Consultoria?

Rafael Ribeiro: Abordarei as expectativas para o mercado de grãos em 2017, com foco no milho, soja (farelo) e algodão, entre outros alimentos como, por exemplo, polpa cítrica e sorgo.

Falarei sobre a oferta e demanda nesta temporada e possíveis fatores de interferência nos preços em 2017: clima, câmbio, demanda interna e mundial e estoques.

Scot Consultoria: Depois da forte valorização em 2016, dá para afirmar que o milho custará menos em 2017?

Rafael Ribeiro: O aumento da produção nesta temporada é o principal fator de pressão de baixa sobre os preços do milho em 2017. Os estoques finais, em 2016/2017, estão estimados em 17,34 milhões de toneladas, frente aos 7,75 milhões de toneladas em estoques, ao final de 2015/2016.

De qualquer maneira, o clima e a demanda podem, pontualmente, mexer com os preços no mercado brasileiro. Vimos este cenário no final de janeiro e em fevereiro, o excesso de chuvas prejudicando o avanço da colheita da safra de verão e um cenário mais firme de preços no mercado interno.

Para o pecuarista, o planejamento e estratégia de compra será fundamental, mesmo considerando o cenário de preços mais baixos para o milho este ano.

A pressão de baixa deverá ser maior a partir de meados do primeiro semestre, com dados mais consolidados sobre a primeira e segunda safra.

Scot Consultoria: E as exportações brasileiras de milho? Dá para falar em volumes recordes para este ano?

Rafael Ribeiro: O dólar caindo, em relação ao real, em 2017, desestimulou os embarques e diminuiu a concorrência do milho brasileiro em relação ao produto norte-americano, por exemplo.

As exportações brasileiras, em 2017, estão estimadas em 24,0 milhões de toneladas, frente as 18,85 milhões de toneladas embarcadas em 2016, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Apesar do incremento, o volume está abaixo do recorde registrado em 2015, de 30,17 milhões de toneladas. Com a perspectiva de um dólar mais fraco este ano, o volume embarcado deve ser revisado nos próximos relatórios.

Em fevereiro, o preço médio do milho exportado pelo Brasil ficou próximo de US$168,00 por tonelada. Para uma comparação, o milho norte-americano está cotado em torno de US$140,00.

Scot Consultoria: Alguma consideração para a segunda safra de milho este ano em particular?

Rafael Ribeiro: A expectativa é de crescimento na área plantada e uma produtividade melhor. Segundo a Conab, a produção poderá chegar a 58,59 milhões de toneladas na segunda safra. Este volume é 44,0% maior ou 17,91 milhões de tonelada a mais que o ano passado, quando foi registrada quebra de produção.

Em princípio, o clima deverá ser mais favorável e a semeadura do milho “safrinha” feita mais dentro da janela ideal de plantio.

No entanto, as chuvas atrasando a colheita da soja merecem atenção e cautela por parte do agricultor e também de quem precisa de milho para o segundo semestre, já que podem atrasar o plantio da segunda safra.

Scot Consultoria: E para os farelos em geral, qual a previsão de oferta e expectativas de preços?

Rafael Ribeiro: Segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), a produção de farelo deverá ser 5,1% maior em 2017, em relação a 2016, totalizando 31,1 milhões de toneladas.

A expectativa é de patamares de preços mais baixos na temporada, em função do aumento da produção de soja grão nos principais países.

No caso do Brasil, além da colheita da safra 2016/2017 em andamento, o câmbio pressionou as cotações da soja e do farelo de soja em reais, em janeiro e fevereiro.

De qualquer maneira, o clima já chama a atenção em algumas regiões produtoras, onde as fortes chuvas prejudicam o andamento da colheita e têm causado danos as lavouras, especialmente no Centro-Oeste.

Leia Também

STF deve julgar ação de demarcação de terras indígenas no dia 30
Repercussão geral
STF deve julgar ação de demarcação de terras indígenas no dia 30
Fim dos Conflitos
Câmara aprova projeto que regulamenta demarcação de terras indígenas
Aprovado o mérito na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, o substitutivo ao PL 490/2007 aguarda análise dos destaques para seguir ao Plenário
Notícias
Cai diferença entre valor da arroba e carne no atacado
Com mercado do boi gordo em banho-maria, estabilidade nos preços da arroba é mantida
Análise
Com mercado do boi gordo em banho-maria, estabilidade nos preços da arroba é mantida