Menu
Busca quinta, 24 de junho de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
31ºmax
19ºmin
Pecuária

Formação de abscessos pode estar relacionado a problemas de manejo, afirma pecuarista

26 junho 2017 - 00h00Por Notícias Agrícolas

A formação de abscessos, principal argumento utilizado pelo governo norte-americano para suspender a importação de carne in natura do Brasil, pode estar relacionada a problemas de manejo, e não só à inoculação do agente que compõe a vacina.

A consideração foi feita pelo  do presidente do Sindicato Rural de Santiago (RS), José Luiz Dalosto, afirmando que ainda há "muitos problemas de aplicação que geram a formação do abscesso".

As deficiências, segundo ele, vão desde a aplicação no lugar incorreto, falta de mão de obra qualificada, estruturas inadequadas, até sensibilidade e estresse animal. "Precisamos aprimorar o manejo e nossas instalações. A carne brasileira é comercializada no mundo inteiro e qualquer problema que apareça coloca em risco a produção", acrescenta.

Ao contrário, o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), afirma que os abcessos podem ser resultado de reação a componentes da vacina contra a febre aftosa. Houve pedido formal aos laboratórios que produzem a vacina para que reduzam a dose atual de 5 ml para 2 ml.

Guilherme Marques, diretor do Departamento de Saúde Animal do Mapa e presidente da Comissão Sul-Americana para a Luta contra a Febre Aftosa (Cosalfa), observou que o Brasil é livre da febre aftosa e, portanto, não é preciso mais utilizar uma dose reforçada. Tam solicitaram também a retirada do sorotipo C da vacina, pela inexistência do vírus tipo C na América do Sul.

Os EUA prometeram liberar o produto brasileiro assim que o Brasil corrigir erros apontados pelo Departamento de Agricultura (USDA) em questões de saúde, sanitárias e outras relacionadas à saúde animal.

Em resposta, o Mapa informou que irá revisar as normas de inspeção dos frigoríficos. “Vamos ter uma metodologia de inspeção ainda mais rigorosa", informou o Ministro. Maggi se comprometeu a viajar para os Estados Unidos assim que a nova instrução normativa (IN) sobre o assunto estiver pronta, para negociar a fim do embargo ao produto brasileiro.

Para o presidente do sindicato rural, essa e tantas outras notícias negativas ao setor pecuária que vieram a tona neste ano, certamente demorarão a se resolver. "Levaremos um tempo para recuperar a imagem de grandes produtores de carne mundial, mas de qualquer forma, essa movimentação do Mapa demostra uma resposta rápida para o problema", diz.