Menu
Busca domingo, 19 de setembro de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
38ºmax
25ºmin
Pecuária

Formação de abscessos pode estar relacionado a problemas de manejo, afirma pecuarista

26 junho 2017 - 00h00Por Notícias Agrícolas

A formação de abscessos, principal argumento utilizado pelo governo norte-americano para suspender a importação de carne in natura do Brasil, pode estar relacionada a problemas de manejo, e não só à inoculação do agente que compõe a vacina.

A consideração foi feita pelo  do presidente do Sindicato Rural de Santiago (RS), José Luiz Dalosto, afirmando que ainda há "muitos problemas de aplicação que geram a formação do abscesso".

As deficiências, segundo ele, vão desde a aplicação no lugar incorreto, falta de mão de obra qualificada, estruturas inadequadas, até sensibilidade e estresse animal. "Precisamos aprimorar o manejo e nossas instalações. A carne brasileira é comercializada no mundo inteiro e qualquer problema que apareça coloca em risco a produção", acrescenta.

Ao contrário, o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), afirma que os abcessos podem ser resultado de reação a componentes da vacina contra a febre aftosa. Houve pedido formal aos laboratórios que produzem a vacina para que reduzam a dose atual de 5 ml para 2 ml.

Guilherme Marques, diretor do Departamento de Saúde Animal do Mapa e presidente da Comissão Sul-Americana para a Luta contra a Febre Aftosa (Cosalfa), observou que o Brasil é livre da febre aftosa e, portanto, não é preciso mais utilizar uma dose reforçada. Tam solicitaram também a retirada do sorotipo C da vacina, pela inexistência do vírus tipo C na América do Sul.

Os EUA prometeram liberar o produto brasileiro assim que o Brasil corrigir erros apontados pelo Departamento de Agricultura (USDA) em questões de saúde, sanitárias e outras relacionadas à saúde animal.

Em resposta, o Mapa informou que irá revisar as normas de inspeção dos frigoríficos. “Vamos ter uma metodologia de inspeção ainda mais rigorosa", informou o Ministro. Maggi se comprometeu a viajar para os Estados Unidos assim que a nova instrução normativa (IN) sobre o assunto estiver pronta, para negociar a fim do embargo ao produto brasileiro.

Para o presidente do sindicato rural, essa e tantas outras notícias negativas ao setor pecuária que vieram a tona neste ano, certamente demorarão a se resolver. "Levaremos um tempo para recuperar a imagem de grandes produtores de carne mundial, mas de qualquer forma, essa movimentação do Mapa demostra uma resposta rápida para o problema", diz.

Leia Também

Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Coronavírus
Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Mercado Externo
Arábia Saudita retoma importação de frigoríficos de MG após embargo de 10 dias
As compras haviam sido suspensas no dia 6, após a confirmação de um caso atípico do "mal da vaca louca" no Estado
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Meio Ambiente
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados
Feiras & Eventos
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados