Menu
Busca domingo, 07 de março de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
30ºmax
20ºmin
Pecuária

Após ano difícil, pecuária espera voltar a ter ganhos em 2017

21 setembro 2016 - 20h09Por Folha de S. Paulo
Após ano difícil, pecuária espera voltar a ter ganhos em 2017

Este ano não está sendo um bom período para a pecuária, principalmente para os confinadores. O setor tem esperança, no entanto, de que o cenário melhore em 2017.

Os principais entraves encontrados em 2016 devem ser superados no próximo ano, segundo Alberto Pessina, o novo presidente da Assocon (Associação Nacional dos Confinadores).

Entre os fatores que vão auxiliar o setor está a abertura de novos mercados, como o dos Estados Unidos. Pessina aposta, também, na melhora na economia brasileira, o que deve gerar mais demanda para o setor. Além disso, as supersafras de grãos nos Estados Unidos e o aumento de produção no Brasil devem reduzir os custos dos grãos, um dos componentes de custo do setor.

O setor está em um período muito complicado, principalmente para o confinamento. Os custos da ração subiram, o estoque de animais caiu, mas o preço do boi não teve a correção esperada, segundo ele.

A demanda interna está contida e muitos importadores, principalmente os ligados ao petróleo, pisaram no freio nas importações.

Do lado externo, Pessina acredita que a abertura dos novos mercados e a competitividade da carne brasileira vão dar impulso às exportações. Além disso, um acerto externo nos preços do petróleo darão novo fôlego aos países produtores de óleo e importantes importadores de carnes.

O mercado de confinamento tem participação de 5% a 7% nos abates de gado no país, que é de aproximadamente 35 milhões de cabeças por ano.

A Assocon iniciou nesta terça-feira (20), em Goiânia, um encontro do setor para discutir, entre outros temas, as necessidades dos consumidores. O evento termina nesta quinta (22).