Menu
Busca sexta, 25 de junho de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
30ºmax
19ºmin
Notícias

Tecnologia coreana inovadora chega ao Brasil para auxiliar na expansão da bovinocultura

18 janeiro 2018 - 00h00Por FAESC

O controle reprodutivo e sanitário dos rebanhos brasileiros passa a contar com uma nova e avançada tecnologia originária da Coreia do Sul. Sensores inseridos em bio-cápsulas são a tendência do mercado global que chega ao Brasil. A fazenda Santa Rita, localizada no interior de Erval Velho, no meio oeste catarinense, foi a segunda propriedade a ter essa tecnologia no País. 

 
Vinte bovinos de corte da raça Red Angus receberam a bio-cápsula e serão permanentemente monitorados tanto pelo produtor quanto pela empresa Live Care, que desenvolveu a tecnologia. O proprietário da fazenda e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC) José Zeferino Pedrozo considera que os avanços tecnológicos são excelentes suportes para o desenvolvimento da bovinocultura, assim como de outras cadeias produtivas. 
 
As bio-cápsulas são inseridas por via oral no estômago dos ruminantes e capturam dados de temperatura do corpo, ciclos diários de líquido. “Esses dados são enviados para uma caixa de coleta em tempo real, ou seja, o produtor consegue acessar essas informações em qualquer lugar por meio da web ou do aplicativo”, explica o responsável pela Live Care no Brasil.  
 
Os dados são atualizados mais de 300 vezes ao dia, permitindo que o criador compreenda melhor o tempo de inseminação após o cio além de auxiliar na prevenção de possíveis acidentes de parto. O serviço, disponibilizado pela Live Care em vários países, envia notificações por meio de um alarme ou mensagem quando identifica alguma anormalidade.
 
O produto utilizado na fabricação das bio-cápsulas é proveniente da cana de açúcar, não é tóxico e permanece no estômago do animal de seis a sete anos com total segurança. “Foram mais de três anos de pesquisa e desenvolvimento com mais de três milhões de dados comparativos, garantindo um alto nível de confiabilidade e detecta a anormalia imediato, evitanto possíveis epidemia no rebanho com total controle dos animais”, complementa o diretor. 
 
O sistema chegou recentemente ao Brasil e encontra-se em período de teste em apenas duas propriedades. “Ainda não temos como mensurar quais recursos serão necessárias, isso varia de acordo com a realidade de cada propriedade, mas os investimentos feitos são por mensalidade justamente para facilitar o acesso aos produtores rurais”, observa diretor da Live Care. 
 
Pedrozo avalia que os dados emitidos pelo sistema são parâmetros importantes para o monitoramento da saúde e da reprodução do rebanho. O presidente ressalta que em território barriga-verde, de acordo com dados da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (CIDASC), a bovinocultura está presente em 291 municípios (98,6% do total). 
 
O rebanho distribui-se em 78.729 produtores, dos quais 35.713 (45,36%) com finalidade comercial e 43.016 (54,64%) sem finalidade comercial. Embora o Estado seja mais conhecido pela produção de leite do que de carne, há predomínio de animais de corte: 51,4% possuem aptidão para corte, 34,7% aptidão para leite, 13,75% aptidão mista. “O acesso a essas informações representa redução de perdas e retorno positivo aos produtores rurais. As novas tecnologias surgem como propulsoras do agronegócio”, finaliza.

Leia Também

STF deve julgar ação de demarcação de terras indígenas no dia 30
Repercussão geral
STF deve julgar ação de demarcação de terras indígenas no dia 30
Fim dos Conflitos
Câmara aprova projeto que regulamenta demarcação de terras indígenas
Aprovado o mérito na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, o substitutivo ao PL 490/2007 aguarda análise dos destaques para seguir ao Plenário
Notícias
Cai diferença entre valor da arroba e carne no atacado
Com mercado do boi gordo em banho-maria, estabilidade nos preços da arroba é mantida
Análise
Com mercado do boi gordo em banho-maria, estabilidade nos preços da arroba é mantida