Menu
Busca sábado, 19 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
32ºmax
21ºmin
Notícias

Produtores de MT vendem gado fora do Estado em busca de melhores preços

12 abril 2012 - 03h37Por Rural BR

 Pecuaristas de algumas regiões de Mato Grosso passaram a vender gado para outros Estados, onde conseguem maior valor pela arroba. Os animais são transportados em caminhões, em viagens que chegam a 1,6 mil quilômetros. Para as lideranças do setor, o que motiva a comercialização para destinos distantes é o alto número de frigoríficos de uma mesma empresa em determinadas regiões, provocando queda nos preços. O caminhoneiro Deusdete de Souza relata ter viajado mais de 20 horas de Água Boa (MT) a Rio Preto (SP), transportando 70 animais.

– É uma carga viva e a gente tem que cuidar bem nas curvas. Porque é um veículo alto e na curva, se você entrar correndo, o gado vai todo para o lado. É onde dá vexame – diz.

O custo do frete chega a R$ 5,5 mil e o gado tem preço médio de R$ 73,00 a arroba, pago pelo atravessador na propriedade, à vista. Se os animais fossem vendidos para os frigoríficos da região, o produtor não receberia mais do que R$ 72,00 pela arroba. A menos que a venda seja a prazo. Neste caso, o preço pode chegar a R$ 76,00, segundo o vice-presidente da Famato, Marcos da Rosa. Para ele, a situação é consequência da concentração de frigoríficos no Estado.

– A dificuldade é exatamente essa. Eles se balizam em cima do frigorífico, da empresa que está na concentração. Não se balizam no mercado. Com certeza, eles poderiam nos pagar hoje de R$ 4,00 a R$ 5,00 a mais pela arroba – aponta.

O problema, conforme o superintendente da Associação de Criadores de Mato Grosso (Acrimat)Luciano Vacari, é que não existe concorrência entre frigoríficos. Principalmente no nordeste do Estado, onde se concentra a produção pecuária. Segundo Vacari, a região conta com seis milhões de cabeças de gado, com somente um grupo frigorífico atuando no mercado. 

– Isso traz resultados diretos para o preço pago ao pecuarista. A gente vê frigoríficos de fora do Estado buscando gado nesta região, pagando preços muito mais remuneradores do que aqueles frigoríficos que estão operando em Barra do Garça. Ou seja, existe alguma coisa errada – afirma.

Os principais frigoríficos localizados em Mato Grosso, cadastrados no Sistema de Fiscalização Federal (SIF), respondem por mais de 90% dos abates.  Na região nordeste do Estado, de cinco empresas, três estão fechadas e as duas em funcionamento pertencem ao Grupo JBS. Na região dos municípios de Juara e Juína, três frigoríficos são do grupo JBS. O único que não pertence à empresa está fechado.

A presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), Kátia Abreu, diz considerar o fato uma distorção no mercado. E aponta que a entidade tentará mudar a situação.

– Para corrigir esta distorção, estamos solicitando ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), já conversei com o presidente Luciano Coutinho, para que possa financiar também frigoríficos médios do país, para que eles possam se fortalecer e também fazer parte de uma justa concorrência. De uma concorrência saudável, para melhorar a performance dos produtores de gado, de boi gordo do país – informa.