Menu
Busca quarta, 02 de dezembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
33ºmax
23ºmin
Notícias

Presidente quer comprar terra para índios em MS este ano

19 fevereiro 2010 - 00h00Por Campo Grande News, por Edivaldo Bitencourt e Denis Matos.

Com o conflito armado entre produtores rurais e índios em Mato Grosso do Sul, o presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está disposto a comprar terras para solucionar a falta de área para os índios da etnia Guarani Caiuá. No encontro com produtores rurais e empresários em Brasília (DF), na tarde de ontem (18/02), ele fez um apelo aos deputados federais que o ajudem a encontrar a área para solucionar o problema.

Durante o encontro, segundo relato do vereador Paulo Pedra (PDT), Lula afirmou que o Governo federal tem dinheiro para adquirir as áreas. “Dinheiro não é problema”, teria garantido o presidente, sinalizando estar disposto a comprar terra para solucionar o problema em Mato Grosso do Sul.

Desde 2008, fazendeiros e índios estão em guerra, até com confronto, por causa da criação de grupos de estudos pela Funai (Fundação Nacional do Índio) para identificar 39 novas áreas em 26 municípios da região sul do Estado. Estima-se que seriam identificadas de 600 mil a 3 milhões de hectares para atender aos indígenas.

Lula fez um apelo aos deputados federais Dagoberto Nogueira, líder do PDT na Câmara, e Vander Loubet (PT), para que o ajudem a encontrar a área para ser destinada aos Guarani Caiuás. “Ele quer pagar e dar aos índios”, segundo Paulo Pedra, que participou da reunião com o presidente da Acrissul, Chico Maia, os prefeitos da Capital, Nelsinho Trad (PMDB), e de Bela Vista, Chico Maia (PT), entre outros.

Impasse – Os índios defendem a definição e demarcação de novas áreas. Desde a demarcação da terra indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, o presidente da República vem dizendo que a prioridade é solucionar o impasse em Mato Grosso do Sul.

No entanto, o presidente sinalizou que pretende comprar apenas 10 mil hectares, segundo Dagoberto. O deputado disse que pedirá a indicação das áreas para a Acrissul e Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul).

A aquisição será feita por meio do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). Por lei, o Governo federal não pode pagar pela terra nua no caso de área indígena. A proposta visa solucionar o conflito e driblar a legislação.

“Quero de imediato, não quero sair [do Governo] sem resolver”, afirmou o presidente aos deputados e ao grupo de produtores rurais.