Menu
Busca sábado, 15 de junho de 2024
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
30º
SOJA

Preços ficam em baixa mesmo com alta significativa do dólar

Contratos com entrega em setembro fecharam com baixa de 16,25 centavos ou 1,13% a US$ 14,15 3/4 por bushel

03 agosto 2022 - 07h57Por Canal Rural

Os preços da soja encerraram majoritariamente mais baixos nesta terça-feira (2) nas principais praças do país. A queda de Chicago pesou na formação, mesmo com o dólar subindo quase 2%. O cenário não empolga os produtores, que seguem retraídos. Como resultado, a comercialização se arrasta.

  • Passo Fundo (RS): a saca de 60 quilos caiu de R$ 186,00 para R$ 183,00
  • Região das Missões: a cotação recuou de R$ 185,00 para R$ 182,00
  • Porto de Rio Grande: o preço passou de R$ 192,00 para R$ 189,00
  • Cascavel (PR): o preço baixou de R$ 184,50 para R$ 183,50
  • Porto de Paranaguá (PR): a saca teve retração de R$ 191,00 para R$ 190,00
  • Rondonópolis (MT): a saca seguiu em R$ 167,00
  • Dourados (MS): a cotação valorizou de R$ 173,50 para R$ 175,00
  • Rio Verde (GO): a saca estabilizou em R$ 165,00
  • Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a terça-feira com preços em baixa. O mercado foi pressionado pela indicação de melhora nas condições das lavouras americanas e pelas preocupações geopolíticas, em meio às discussões entre China e Estados Unidos em torno de Taiwan. Também pesa negativamente a queda nos vizinhos milho e trigo com a retomada das exportações ucranianas.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou dados sobre as condições das lavouras americanas de soja. Segundo o USDA, até 31 de julho, 60% estavam entre boas e excelentes condições – o mercado esperava 58% -, 29% em situação regular e 11% em condições entre ruins e muito ruins. Na semana anterior, os índices eram de 59%, 30% e 11%, respectivamente.

Os contratos da soja em grão com entrega em setembro fecharam com baixa de 16,25 centavos ou 1,13% a US$ 14,15 3/4 por bushel. A posição novembro teve cotação de US$ 13,86 por bushel, com perda de 19,50 centavos de dólar ou 1,38%. Nos subprodutos, a posição setembro do farelo fechou com alta de US$ 4,50 ou 1,04% a US$ 434,20 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em setembro fecharam a 62,33 centavos de dólar, com perda de 1,76 centavo ou 2,74%.

Câmbio

O dólar comercial fechou em alta de 1,93%, cotado a R$ 5,2770. O ambiente de forte aversão global ao risco foi inflado pela tensão entre China e Estados Unidos, pelos indícios de um Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) mais hawkish (duro, propenso ao aumentos dos juros), além dos ruídos políticos domésticos e a chance do Comitê de Política Monetária (Copom) não terminar o ciclo de aumento dos juros na reunião que ocorre entre hoje e quarta (3), o que também contribuiu para o fortalecimento da moeda norte-americana.