Menu
Busca segunda, 29 de novembro de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
30ºmax
23ºmin
CAPACITAÇÃO

Prazo para apresentar propostas ao Programa AgroResidência é prorrogado até o dia 18 de outubro

A iniciativa visa selecionar projetos de qualificação técnica para estudantes e recém-egressos dos cursos de ciências agrárias

15 outubro 2021 - 11h58Por Mapa

Divulgação/Mapa

OMinistério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) prorrogou, até o dia 18 de outubro de 2021, o prazo para submissão de propostas ao 2º edital do AgroResidência - Programa de Residência Profissional Agrícola. A iniciativa visa selecionar projetos apresentados por instituições de ensino público federais, voltados para a qualificação técnica de estudantes e recém-egressos dos cursos de ciências agrárias e áreas afins, a serem desenvolvidos na Ilha de Marajó e no estado do Tocantins.

A elaboração das propostas de projeto deve seguir o roteiro e demais orientações apresentadas no Edital de Chamamento Público 01/2021 e a submissão poderá ser realizada pelo e-mail [email protected]

Será destinado R$ 1 milhão para custeio dos projetos selecionados no estado do Tocantins e R$ 600 mil para projetos na Ilha do Marajó. A expectativa é atender cerca de 100 residentes nas duas regiões e promover a inserção dos beneficiários no ambiente real de trabalho, por meio de treinamento prático, orientado e supervisionado, propiciando o desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias ao exercício profissional.

Os recursos serão utilizados no pagamento de bolsas para os residentes de cursos técnicos de nível médio, no valor de R$ 900; e de nível superior, no valor de R$ 1.200. A carga horária de trabalho dos residentes será de 40 horas semanais. Também será custeada bolsa para professor orientador, que corresponderá ao valor de R$ 200 por orientado. Cada professor deverá orientar entre cinco (mínimo) e dez (máximo) residentes, sendo assim, a bolsa pode variar de R$ 1 mil a R$ 2 mil.

O AgroResidência prevê, ainda, custos com a participação dos residentes, professor orientador, técnico orientador e de colaboradores eventuais em reuniões, oficinas, seminários, congressos e afins.

Para orientar e auxiliar as instituições de ensino público federais interessadas em participar da seleção, o Mapa disponibiliza o Manual de Operações do AgroResidência. O documento apresenta diretrizes para participação e informações gerais sobre o programa.

A seleção com recorte territorial tem o objetivo de fazer com que o AgroResidência se some a outras iniciativas do governo federal, como aquelas voltadas para o desenvolvimento do Matopiba e da Ilha do Marajó, buscando a complementaridade e sinergia das ações.

A região da ilha do Marajó é uma das que possuem menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil. Dentre os 16 municípios que integram o arquipélago, 8 estão entre os 50 de menor IDH do país, sendo Melgaço o que tem o índice mais baixo. Para melhorar a qualidade de vida da população marajoara, o governo federal, por meio do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), criou o programa Abrace o Marajó, que visa desenvolver 110 ações divididas em quatro eixos: Desenvolvimento Social, Infraestrutura, Desenvolvimento produtivo e Desenvolvimento institucional.

O estado do Tocantins, por sua vez, integra o Matopiba, que abrange os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. A região, considerada a fronteira de expansão da agropecuária no Brasil, é foco de ações do governo voltadas para o desenvolvimento integrado e sustentável. O Tocantins é o estado que possui a maior área dentro do Matopiba e se destaca como o maior produtor de grãos da região Norte do Brasil, sobretudo de soja, arroz, milho e feijão, além de apresentar crescimento no cultivo de frutas tropicais, em especial a melancia, o abacaxi e a banana.

Qualificação

O AgroResidência é uma política pública criada pelo Mapa, por meio da Portaria nº 193, de 16 de junho de 2020, com o propósito de apoiar a formação de profissionais com as competências necessárias para a plena atuação nas áreas de ciências agrárias e afins, favorecendo a inserção desses profissionais no mercado de trabalho, contribuindo para o desenvolvimento da agricultura brasileira. Os alunos residentes participam de atividades práticas dentro das funções ligadas à respectiva formação profissional, sob supervisão e acompanhamento de profissional técnico habilitado com formação na área de atuação.

O 1º edital para seleção de propostas de projetos de residência profissional agrícola de instituições públicas federais foi lançado em 2020 e recebeu 444 propostas. Ao final do processo, 105 projetos foram comtemplados, beneficiando 1.332 residentes de cursos de nível médio e superior. Atualmente, há residentes atuando em 24 unidades da federação, vinculados a 48 instituições de ensino.

Thailline Fernandes, residente em laticínio localizado no município de Rio Maria (PA), realizando contagem de cultura de bactérias em amostras de queijos. Projeto coordenado pelo professor Paulo Vinícius Mendes, da Unifesspa. Foto: Divulgação/Mapa

Thailline Fernandes, residente em laticínio localizado no município de Rio Maria (PA), realizando contagem de cultura de bactérias em amostras de queijos. Projeto coordenado pelo professor Paulo Vinícius Mendes, da Unifesspa. Foto: Divulgação/Mapa

Está previsto para 2021 o lançamento de mais dois editais de seleção, um para propostas de projetos das instituições de ensino público estaduais e outro de escolas famílias agrícolas. Para 2022, o Mapa estuda lançar editais temáticos para o AgroResidência voltados, por exemplo, para a residência agrícola na agricultura orgânica, na piscicultura ou na cadeia do milho.