Menu
Busca segunda, 20 de maio de 2024
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
20º
ESTUDO

Pesquisadores produzem espécie de pequi sem espinhos

A pesquisa, que durou um total de 25 anos, descobriu a espécie de pequi sem espinhos por meio de um produtor do Mato Grosso

29 agosto 2022 - 10h25Por Canal Rural

Já imaginou comer pequi sem se preocupar com os espinhos? Esse é um sonho antigo dos que amam a iguaria e que será possível após pesquisa da Embrapa junto a Emater de Goiás. A pesquisa, que durou um total de 25 anos, descobriu a espécie de pequi sem espinhos por meio de um produtor do Mato Grosso, que encontrou um pequizeiro que produzia a fruta com a variedade genética e informou a Emater, para que produzissem réplicas da planta.

A engenheira agrônoma na Emater e responsável pela pesquisa, Elainy Botelho, garante que, além do sabor ser quase idêntico ao que já conhecemos, o pequi sem espinhos não apresenta perigos para quem vai consumir.

“Uma importância muito grande e a manutenção desse tipo de genótipo, desse tipo de material. Porque era uma planta única na natureza que poderia morrer por um fogo, uma troca, por um raio é nos perdermos esse material, então ela foi multiplicada. Então a segunda vantagem é que um pequi sem espinhos, ele permite que crianças, idosos, estrangeiros comam esse pequi e até mesmo nos comemos mais despreocupadamente”, diz.

Venda

Após autorização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, concedida este ano, as mudas de pequi sem espinhos serão lançadas para comercialização. Já em novembro poderão ser adquiridas e levam em média cerca de quatro anos para começarem a dar frutos.

Das 5 mil mudas colocadas à venda, 2.400 serão reservadas para agricultores familiares e viveiristas.

História

A demanda dos produtores por pequizeiros mais rentáveis e frutos comerciais, e da sociedade, por frutos com polpa carnuda e saborosa, foi o que originou as pesquisas de clonagem, que se iniciaram com a propagação de mudas por sementes, estaquia e enxertia.

Para isso, a Emater e a Embrapa visitavam as propriedades que cultivavam pequizeiros para tirar a raça da planta. Foi nesse processo que os pesquisadores tiveram acesso ao pequi sem espinhos, encontrado na natureza.

“Como nós já havíamos desenvolvido a técnica de clonagem e enxertia, fizemos 20 clones desse pequizeiro sem espinhos. Plantamos as mudas no nosso banco de germoplasma e avaliamos durante todos esses anos. Agora já estamos chegando ao final desta etapa, com a disponibilização desse material para nossos agricultores”, explica Elainy Botelho.