Menu
Busca terça, 29 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
37ºmax
20ºmin
Notícias

Novo ministro do Desenvolvimento Agrário deve tomar posse nesta quarta

13 março 2012 - 03h24Por CANAL RURAL

 futuro ministro do Desenvolvimento Agrário, deputado federal Pepe Vargas (PT-RS), deve tomar posse do cargo nesta quarta, dia 14. Embora ainda não tenha assumido a pasta, o substituto de Afonso Florence, que foi demitido na última sexta, dia 9, já se reuniu com o atual titular para discutir demandas de trabalho. O encontro ocorreu a portas fechadas, mas Vargas adianta que pretende ampliar o número de assentamentos para a reforma agrária acima da meta prevista para este ano, que é de 35 mil famílias. Outra prioridade é fortalecer a agricultura familiar. Segundo o membro da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) Alexandre Conceição, a expectativa da categoria é que a mudança no ministério garanta maior velocidade às políticas sociais voltadas para o campo.

– O ano de 2011 foi quase parado. Então, nós esperamos que o novo ministro possa nos ajudar a desenvolver e a destravar essa pauta agrária. Ajudar a desburocratizar tanto o Ministério quanto o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) a fazer um processo massivo de desapropriação de terras – diz. 

– Nós esperamos de fato uma política de avanço em relação à reforma agrária. Mas não só isso. Esperamos também uma continuidade de políticas para consolidação da agricultura familiar. Principalmente no que tange a renda da agricultura familiar, o acesso à universalização da assistência técnica – complementa o presidente da Contag, Alberto Broch.

Assim que tomar posse, o novo ministro deve se dedicar ao Plano Safra da Agricultura Familiar, que será lançado em junho.

– A agricultura familiar tem o seu espaço. E assentamento agrário é o que, em última instância? É criar pequenos proprietários rurais, agricultores familiares, para produzir alimentos. Portanto, esse é um debate que tem uma dimensão social, de resgate de vida social, sim, mas também, e principalmente, é um debate de dimensão econômica – afirma Vargas.