Menu
Busca terça, 22 de junho de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
28ºmax
16ºmin
Notícias

Missão à Ásia mostra que segurança sanitária do Brasil é uma das melhores do mundo

22 setembro 2016 - 19h16Por Mapa

A missão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) à Ásia mostra aos países visitados a alta qualidade dos produtos brasileiros. Além disso, serve para comprovar que a segurança sanitária do Brasil é uma das melhores do mundo. A avaliação é do secretário de Defesa Agropecuária, Luis Eduardo Pacifici Rangel, um dos integrantes da comitiva do Mapa em missão oficial a sete países do continente.

Para Rangel, a visita do ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) com os secretários à Ásia deixa claro que, do ponto de vista técnico, o Brasil não deve nada a nenhum país em relação à segurança sanitária e à qualidade dos seus produtos agropecuários. “O reconhecimento do status sanitário do Brasil é grande e ninguém questiona os produtos brasileiros.”

Rangel destacou que, nas negociações internacionais, os problemas de ordem sanitária dificilmente são impeditivos. “Algumas dificuldades existentes são questões protocolares que precisam ser ajustadas. A gente atribui isso à questão de comunicação, mas que está sendo bem gerenciada tanto pela nossa Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio quanto pelo Itamaraty”. 

O secretário de Defesa Agropecuária do Mapa disse que houve avanço nas pautas envolvendo todos os setores. “A visita à Malásia, por exemplo, foi um grande sucesso. É um país muito resistente, mas sinalizou positivamente as nossas demandas. Tivemos uma série de avanços nas questões sanitárias, com a Malásia reconhecendo o nosso trabalho recente.”

As contrapartidas apresentadas ao Brasil são viáveis de serem atendidas, garantiu Rangel, acrescentando que o Mapa fará o acompanhamento das prioridades apresentadas pelos países visitados.

“O grande resultado dessa missão é a possibilidade de dar um combustível de alto rendimento às embaixadas brasileiras nesses países, para que possam fazer um trabalho ainda melhor do que vinham fazendo”, observou Rangel.