Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
34ºmax
20ºmin
Notícias

Manejo adequado de aves minimiza perdas

03 maio 2012 - 03h07Por Dia de Campo

Muitos produtores enfrentam perdas de produtividade pelo simples fato de não realizarem o manejo correto na hora da apanha e transportes das aves ao frigorífico. O tema “Manejo pré-abate em relação à qualidade da carne e carcaça e bem-estar das aves” foi abordado no Seminário Latino Americano de Abate e Processamento de Frangos de Corte e discutiu medidas para minimizar a perda de produtividade e aumentar o bem-estar dos frangos. De acordo com Charli Ludtke, gerente de animais de produção e coordenadora do programa nacional de abate humanitário da ONG WSPA Brasil, em primeiro lugar, os produtores devem conhecer o comportamento das aves.

Ela diz que, ao entrar uma pessoa estranha dentro do aviário, a tendência é que ocorra uma fuga dos animais. – Durante essa fuga, acontecem muitos batimentos de asa e umas aves sobem em cima das outras. Com isso, podem ocorrer fraturas dessas asas e lesões. Isso traz perdas econômicas para o produtor, já que a ave apresentará uma carcaça lesionada – afirma a gerente. Além disso, Charli diz que o produtor deve evitar a presença de outros animais próximos ao aviário.

Isso porque, quando a ave enxerga um estranho ou outro animal, o vê como um predador e foge, o que também pode ocasionar lesões. – Portanto, sempre que entrar no aviário, a equipe deve entrar calmamente. Já no caso do transporte, deve-se evitar caminhões barulhentos, com ronco muito forte, para que o transporte seja o menos estressante possível – orienta Ludtke.

Já na hora da apanha das aves, a gerente diz que a equipe deve realizar a subdivisão dos lotes, ou seja, trabalhar com lotes menores. Deve também organizar as caixas de forma adequada, mantendo-as abertas e perto das aves. Tudo o mais calmo e tranqüilo possível. Essa apanha deve ser individual.

Além disso, ave não pode ser pega pelo pescoço ou pelas patas, o que também provoca batimento de asa e fraturas. Segundo a gerente, a apanha deve ser feita com as duas mãos, pelo dorso e com as asas fechadas junto ao corpo, ou seja, imobilizadas. Além disso, deve-se também ter cuidado com a questão da água. – A água deve estar sempre à disposição até o momento da apanha, pois a temperatura das aves é de 41 graus.

O fato de elas não terem água disponível causa desidratação durante o transporte até o frigorífico – conta Charli. O jejum também não deve ser muito longo. A gerente recomenda um período de 6 a 8 horas antes do transporte. Ela completa dizendo que o jejum prolongado pode causar contaminação, pois a ave acaba comendo o resto de cama do aviário, onde existem contaminantes como salmonela e coliformes.