Menu
Busca segunda, 28 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
34ºmax
24ºmin
Notícias

JBS assume 100% da empresa italiana de embutidos Rigamonti

10 março 2011 - 00h00Por Agência Estado

Depois do anúncio da dissolução da sociedade com o grupo italiano Cremonini na Inalca, o grupo JBS, informou nesta última sexta-feira que assumiu o controle de 100% do capital da empresa italiana de embutidos Rigamonti. A companhia possui um faturamento bruto de 130 milhões de euros por ano e é líder no setor de bresaola, carne bovina seca e curada, feita com cortes de coxão mole bovino, com forte consumo na Itália.

A JBS informou que desde dezembro de 2009 controla 70% da Rigamonti, um complexo produtivo que conta com três fábricas localizadas na província de Sondrio (norte da Itália). A empresa produz aproximadamente sete mil toneladas de carne processada por ano e detém 40% do mercado italiano. "Para a JBS, a aquisição de 100% do Rigamonti confirma o interesse no mercado europeu. A partir de agora, a empresa inicia estudos para futuros investimentos na ampliação da Rigamonti que fica no Vale da Valtellina, região da Lombardia, no nordeste italiano", afirmou o grupo.

O grupo JBS ainda está presente na Europa no setor de couros em Arzignano (JBS Itália) e em Matera (Nonsolopelle). Além da Itália, a empresa está presente na Inglaterra e na Bélgica, com plataformas de distribuição e tem mais de quatro mil clientes diretos na Europa.

 Cremonini

A JBS informou também nesta sexta-feira que encerrou a sociedade com o grupo italiano Cremonini na Inalca. Foi assinado um acordo de distrato, pondo fim à participação de 50% no capital da empresa, pelo qual a brasileira devolve as ações que representam essa fatia do capital social e simultaneamente reembolsa os 218,855 milhões de euros investidos em 2008.

Conforme comunicado, "JBS e Cremonini concordaram abandonar definitivamente todas as controvérsias relativas às empresas, aos dirigentes e aos empregados, permitindo às duas companhias prosseguirem nas suas respectivas atividades".

As empresas estavam em desacordo sobre a gestão financeira da companhia sediada na Itália e indicação de conselheiros.