Menu
Busca quinta, 01 de outubro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
41ºmax
24ºmin
Notícias

IBGE aponta aumento dos abates no 3º trimestre

17 dezembro 2009 - 00h00Por IBGE

Segundo a Estatística da Produção Pecuária do IBGE, o 3º trimestre de 2009 registrou o abate de 7,213 milhões de cabeças de bovinos. O aumento no número de animais abatidos tanto na comparação com o mesmo trimestre de 2008 (1,0%) quanto com o 2° trimestre (4,6%) sustentam a expectativa de início de recuperação do setor de abate de bovinos, iniciada no trimestre anterior. O aumento de animais abatidos decorre principalmente do aumento do consumo no mercado interno.

No 3º trimestre, grandes grupos frigoríficos arrendaram e voltaram a operar plantas que foram fechadas por conta da crise internacional, principalmente nos estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Segundo o Cepea/Esalq, o indicador de preços do boi gordo iniciou o período em leve queda, que se acentuou em agosto. Apenas na segunda quinzena de setembro houve recuperação - parcial - dos preços.

Em termos de peso de carcaças, registrou-se 1,728 milhão de toneladas, altas de 3,3% e de 6,2%, respectivamente, em relação ao 3º trimestre de 2008 e 2º trimestre de 2009. Mato Grosso é o principal estado brasileiro em volume de abate, com 15,4% da produção nacional; seguido por São Paulo (12,2%) e Mato Grosso do Sul (10,9%).

Couro - No 3º trimestre houve a aquisição de 9,121 mil peças de couro inteiro de bovino, elevação tanto em relação ao 3º trimestre de 2008 (+5,2%) quanto ao trimestre anterior (+11,8%). A principal origem do produto foram os matadouros frigoríficos (61,0%). Juntos, São Paulo, Mato Grosso, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul adquiriram 58,1% do total nacional.

Quanto ao couro efetivamente curtido pelos estabelecimentos (8,867 milhões de unidades), observou-se aumento de 3,9% em relação ao 3º trimestre de 2008 e de 10,2% em relação ao trimestre anterior. Todo o couro adquirido no decorrer do ano de 2009 foi de origem nacional. Apesar dos comentários relativos a crise no setor, a aquisição do produto mantém ritmo crescente desde abril.