Menu
Busca segunda, 20 de setembro de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
38ºmax
26ºmin
Notícias

Gangorra política e cambial no agronegócio, por Giovanni Ferreira

22 maio 2017 - 13h47Por Gazeta do Povo

Entre quarta-feira (17) e sexta-feira (19) o dólar comercial teve a maior alta em 18 anos e a maior baixa em nove anos. A intensa variação tem relação direta e exclusiva com um novo capítulo da crise política que contamina a economia brasileira. O câmbio saiu de R$ 3,13, foi a R$ 3,39 e recuou para R$ 3,25. Uma gangorra com efeitos colaterais igualmente intensos na economia nacional, em especial nas relações de comércio internacional que atinge em cheio o agronegócio. No mercado de grãos, causa euforia e apreensão, no campo e no mercado.

Enquanto o produtor entrou vendendo forte, o comprador até correspondeu à disposição da oferta, mas não muito. Isso porque o desastre político que contaminou a economia e trouxe um dólar totalmente fora da curva também estabeleceu um ambiente de incertezas e de muita insegurança dos rumos que o câmbio iria ou irá tomar. Um cenário vulnerável e de muita precaução para grandes negócios, apostas e transações.

Para não fugir à regra, gangorra também na relação entre câmbio e cotação na Bolsa de Chicago, referência na formação de preço no mercado internacional de commodities agrícolas. Foram e serão raros os momentos de alta simultânea no dólar e em Chicago. E desta vez não foi diferente. A apreciação do dólar veio com uma depreciação dos preços internacionais das commodities agrícolas. A soja, que na quarta-feira atingiu US$ 9,75/bushel (27,2 quilos), encerrou a sexta-feira cotada a US$ 9,44/bushel.

Na semana passada, a relação dólar/Chicago foi como trocar seis por meia dúzia no mercado agrícola interno. No exemplo da soja, o grande ativo do agronegócio brasileiro, a US$ 9,75/bushel e câmbio de R$ 3,13 o preço de referencia da saca de 60 quilos no Brasil é de US$ 21,27 ou R$ 66,57. Já os US$ 9,44/bushel ao câmbio de R$ 3,25 representam US$ 20,60 ou R$ 66,93.

De qualquer forma, entre as principais variáveis da formação de preços no mercado interno, no momento o câmbio passa a ser a mais ativa. O grande problema é que estamos falando de um câmbio influenciado não por questões econômicas, pontuais dentro de um contexto econômico-financeiro. A crise é maior, vai além e afeta a confiança de investidor e consumidor. É estrutural, política e muito profunda, o que dificulta qualquer projeção da economia agrícola, altamente globalizada e atrelada ao comportamento do dólar.

Nos próximos dias, portanto, semanas talvez, o mercado segue no escuro. Um período onde a referência câmbio acentua o risco e a oportunidade do negócio. Ou do agronegócio, onde centavos de reais ou centavos de dólares fazem a diferença na rentabilidade do produtor, onde formação de preço no mercado interno e cotação internacional são menos influenciadas por oferta e demanda e mais pela instabilidade cambial. O resultado: imprevisibilidade. Ambiente que segue enquanto persistir a crise política. Ou seja, deve demorar. E não tem prazo para terminar.

Plano Safra 2017/18


Nos corredores do Ministério da Agricultura, e Ministério da Fazenda, os técnicos discutem à exaustão as novas regras do Plano Agrícola e Pecuário 2017/18. O desafio: anunciar o novo Plano Safra ainda em maio. O que significa dizer que o governo federal tem pouco mais de uma semana para isso. E na semana passada, com o agravante do caos político-institucional que se abateu sobre o Palácio do Planalto, essa definição fica a cada dia mais longe. Além do que, já está atrasado. No exercício anterior, o ciclo 2016/17, o PAP foi apresentado no dia 04 de maio.

Enquanto isso, o bombeiro Eumar Novack segue no comando do Ministério da Agricultura. O ministro Blairo Maggi, que no mês crucial e decisivo ao Plano Safra saiu do país para mais uma das inúmeras viagens internacionais que fez no primeiro ano de mandato, parece que ainda não retomou de fato o seu posto, que deve fazer nesta segunda-feira. Até sexta-feira quem seguia representando o Mapa era Novack, pelo menos nos eventos e compromissos fora de Brasília.

E agora, como não resolveu antes, Maggi terá mais dificuldade e um ambiente pouco favorável para o anúncio do Plano Safra 2017/18. No ano passado não foi diferente. As regras foram definidas e conhecidas em meio ao processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. A semana então será de muito trabalho e costuras políticas. Quero ver encontrar espaço para pauta agrícola, que não pode mais esperar. É com você Maggi!

Leia Também

Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Coronavírus
Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Mercado Externo
Arábia Saudita retoma importação de frigoríficos de MG após embargo de 10 dias
As compras haviam sido suspensas no dia 6, após a confirmação de um caso atípico do "mal da vaca louca" no Estado
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Meio Ambiente
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados
Feiras & Eventos
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados