Menu
Busca segunda, 20 de setembro de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
38ºmax
26ºmin
Notícias

Em janeiro, IBGE prevê safra 20,3% maior para 2017

09 fevereiro 2017 - 00h00Por IBGE

A estimativa de janeiro para a safra de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2017 totalizou 221,4 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 20,3% em relação à safra 2016 (184,0 milhões de toneladas). A área a ser colhida estimada (59,9 milhões de hectares) cresceu 4,9% frente a 2016 (57,1 milhões de hectares). Juntos, arroz, milho e soja, os três principais produtos deste grupo, representaram 93,5% da estimativa da produção e 87,4% da área a ser colhida. Em relação a 2016, houve acréscimos na área estimada da soja (1,9%), do milho (10,3%) e do arroz (1,2%). Já a produção esperada cresceu, respectivamente, 11,8%, 38,9% e 10,0%. Em relação a 2016, são esperados aumentos na produção de todas as regiões: 25,2% no Centro-Oeste, 9,4% no Sul, 10,0% no Sudeste, 89,0% no Nordeste e 16,0% no Norte.

O volume da produção esperado para as Grandes Regiões é: Centro-Oeste (94,0 milhões de toneladas); Sul (79,9 milhões de toneladas); Sudeste (21,6 milhões de toneladas); Nordeste (18,0 milhões de toneladas) e Norte (7,8 milhões de toneladas). Em 2017, estima-se que o Mato Grosso lidere a produção nacional de grãos, com uma participação de 24,6%, seguido pelo Paraná (18,3%) e Rio Grande do Sul (14,8%). Somados, esses três estado representaram 57,7 % do total nacional previsto.

Estimativa de janeiro em relação à produção obtida em 2016

Em relação a 2016, cresceram as estimativas de produção de 14 dos 26 principais produtos: algodão herbáceo em caroço (10,4%), amendoim em casca 2ª safra (35,7%), arroz em casca (10,0%), batata-inglesa 1ª safra (4,2%), batata-inglesa 2ª safra (2,5%), cacau em amêndoa (28,0%), café em grão - canephora (11,1%), feijão em grão 1ª safra (40,3%), feijão em grão 2ª safra (37,4%), milho em grão 1ª safra (22,0%), milho em grão 2ª safra (49,5%), soja em grão (11,8%), sorgo em grão (62,0%) e triticale em grão (11,9%). Com variação negativa foram doze produtos: amendoim em casca 1ª safra (2,8%), aveia em grão (20,5%), batata-inglesa 3ª safra (14,1%), café em grão - arábica (16,3%), cana-de-açúcar (1,2%), cebola (0,0%), cevada em grão (11,0%), feijão em grão 3ª safra (0,3%), laranja (8,3%), mamona em baga (10,0%), mandioca (11,8%) e trigo em grão (18,3%).

Algodão herbáceo (em caroço)

A estimativa de produção nacional de algodão (3,7 milhões de toneladas) cresceu 10,4% em relação a 2016. O principal responsável pela alta é o aumento de 11,6% no rendimento médio nacional, que deve alcançar 3.863 kg/ha. A produção estimada de algodão na Bahia deve crescer 6,3% e alcançar 845,6 mil toneladas. A redução estimada na área plantada (-14,3%) será compensada pelo crescimento de 24,1% no rendimento médio, que deve alcançar 3.837 kg/ha. No Mato Grosso, a produção de algodão deve crescer 9,0% e chegar a 2,4 milhões de toneladas. A área plantada (624,2 mil hectares) e o rendimento médio (3.879 kg/ha) devem crescer 3,0% e 5,9%, respectivamente, em relação a 2016.

Arroz (em casca)

A estimativa de janeiro para a safra nacional 2017 informa uma área a ser colhida de 1 963 019 hectares, com uma produção de 11 639 426 toneladas e rendimento médio de 5 929 kg/ha, maiores, respectivamente, em 1,2%, 10,0% e 8,6%, quando comparados aos dados da safra anterior. A Região Sul deve responder por 82,1% da produção nacional. O Rio Grande do Sul, maior produtor do país, com 71,4% de participação no total nacional, aguarda uma produção de 8 315 795 toneladas, numa área a ser colhida de 1 089 608 hectares e rendimento médio de 7 632 kg/ha, maiores, respectivamente, em 11,0%, 2,6% e 8,2%, quando comparados aos dados da safra anterior. As condições climáticas no momento são favoráveis, com dias ensolarados e quentes favorecendo o desenvolvimento da cultura. As lavouras atravessam as fases de germinação e desenvolvimento vegetativo (5,0%), floração (30,0%), enchimento de grão (17,0%), maduro e por colher (3,0%), segundo a EMATER (RS). Santa Catarina, segundo maior produtor nacional, aguarda uma produção de 1 078 015 toneladas, numa área a ser colhida de 147 581 hectares e rendimento médio de 7 305 kg/ha, maiores, respectivamente, em 2,6%, 0,1% e 2,5%, quando comparados aos dados da safra anterior.

Batata-inglesa

A estimativa da produção da batata-inglesa foi de 3 907 503 toneladas, redução de 0,7% em relação ao último ano, reflexo de uma retração de 1,8% na área a ser colhida. O rendimento médio deve ficar 1,2% maior. A estimativa de produção da 1ª safra da batata é de 1 925 069 toneladas e representa 49,3% da produção total brasileira. Esta previsão é 4,2% maior que a produção de mesma época em 2016 e foi influenciada pelo aumento de 1,2% na área a ser colhida e de 3,0% no rendimento médio. A Região Sul deve responder por 55,0% dessa safra e teve a estimativa de produção aumentada nos três estados, Paraná (18,9%), Santa Catarina (6,7%) e Rio Grande do Sul (1,3%). O rendimento médio deve crescer 7,6% no Paraná, 5,4% em Santa Catarina e 4,0% no Rio Grande do Sul, reflexo do clima que vem beneficiando as lavouras. A 2ª safra da batata deve produzir 1 172 118 toneladas, aumento de 2,5% frente ao ano anterior, representando 30,0% do total produzido pelo país. As estimativas de área plantada e rendimento médio também ficaram maiores que o ano anterior em 1,6% e 0,9%, respectivamente. Os principais produtores desta safra são Minas Gerais (33,7%), Paraná (31,4%), e São Paulo (21,2%).

Café (em grão)

A estimativa da produção (2,7 milhões de toneladas) recuou 12,1% em relação a 2016, enquanto a área e o rendimento médio estimados recuaram 5,4% e 7,0%, respectivamente. A queda no rendimento médio reflete a bienalidade do café, sendo que em 2016, a produção foi recorde. A produção do café arábica deve recuar 16,3%, chegando a 2,2 milhões de toneladas, com o rendimento médio recuando 11,5%. Minas Gerais, maior produtor do país e responsável por 71,3% do volume total, aguarda colher 1 544 693 toneladas, com queda de 15,0% em relação ao ano anterior. São Paulo e Espírito Santo, segundo e terceiro maiores produtores do país, aguardam reduções de 47,0% e 9,5%, respectivamente, na produção de café arábica. Já a produção nacional de café canéfora deve alcançar 520 657 toneladas e crescer 11,1% em relação a 2016, com o rendimento médio aumentando 17,7%. No Espírito Santo, maior produtor desse tipo de café, com participação de 61,4% do total a ser produzido pelo país, o rendimento médio crescerá 14,6%, devendo a produção alcançar 319 815 toneladas, aumento de 5,2%. A forte seca em 2015 e 2016 deve comprometer a produção das duas próximas safras. O retorno das chuvas, a partir de fins de 2016 trouxe o alento para a recuperação das lavouras, que precisam receber os tratos culturais necessários à recuperação produtiva das plantas. Um clima mais chuvoso nas principais regiões produtoras de café e um preço favorável para o produto, que estimula maiores investimentos nas lavouras, sustenta a presente estimativa. Contudo, o IBGE informa que a presente estimativa de produção de café para 2017 foi realizada com base em avaliações do nível de cargas da floração e dos “chumbinhos” das lavouras, nos diversos municípios produtores. Como a materialização dessa produção fundamenta-se, principalmente, no comportamento do clima nas principais regiões produtoras do país, as estimativas mensais a serem elaboradas ainda estão passíveis de alterações nos próximos meses, quando então, devem ser agregadas novas informações de campo.

Cana-de-açúcar

Houve recuo na estimativa de produção (8,7 milhões de toneladas ou -1,2%) frente a 2016, assim como na área plantada (-6,2%), na área a ser colhida (-0,3%) e no rendimento médio (-0,9%). A estimativa de produção para 2017 é de 719,9 milhões de toneladas. Em São Paulo, principal produtor e responsável por 54,5% do total nacional, a produção deve recuar 2,2% e alcançar 392 128 800 toneladas. Já as estimativas de área plantada e rendimento médio ficaram 9,5% e 2,2% menores, respectivamente. Apesar dos preços do açúcar e do etanol terem aumentado, as lavouras de cana vêm se adaptando à proibição da queima e mecanizando da colheita, o que tende a reduzir o replantio em áreas mais distantes e de difícil acesso.

Feijão (em grão)

A primeira estimativa da produção para as três safras de feijão em 2017 é de 3 387 228 toneladas, com aumento de 31,7% em relação ao ano anterior. A 1ª safra do produto, estimada em 1 583 352 toneladas, participa com 46,7% da produção total de feijão em grão. Essa estimativa de produção é 40,3% maior que a produção de 2016; a área plantada teve aumento de 10,9% e o rendimento médio subiu 13,4%. Nesta avaliação, os estados com maior participação na produção foram Paraná (22,1%), Minas Gerais (13,6%) e São Paulo (11,7%). Quanto ao feijão 2ª safra, a estimativa de produção é de 1 332 429 toneladas, aumento de 37,4% em relação a 2016. Esta produção representa 39,3% do total de feijão produzido no país. As maiores estimativas de produção, para esta safra, foram nos Estados do Paraná (30,4%), Mato Grosso (15,2%) e Minas Gerais (11,9%). Para a 3ª safra de feijão, a expectativa é de queda na produção de 0,3%, sendo avaliada em 471 447 toneladas. A estimativa da área plantada decresceu 1,8% em relação ao mesmo período de plantio em 2016 e é esperado um aumento de 1,4% no rendimento médio.

Mandioca (raízes)

A estimativa da produção de mandioca em 2017 alcança 20 901 444 de toneladas, redução de 11,8% frente a 2016. A produção deve diminuir 17,2% na Região Norte, com destaques para o Amazonas (-50,0%), Tocantins (-20,5%), Pará (-14,3%), Acre (-0,5%) e Rondônia (-0,4%). Na Região Nordeste, a expectativa é de um crescimento de 1,5%, em função, principalmente, de um aumento de 6,5% no rendimento médio, já que as áreas a ser plantada e a ser colhida recuaram 6,9% e 4,7%, respectivamente. São Paulo e Paraná, cuja produção destina-se principalmente às indústrias de farinha e fécula, devem produzir 1 043 222 toneladas e 2 762 797 toneladas, respectivamente, quedas de 14,5% e 26,2%, respectivamente, em relação a 2016.

Milho (em grão)

A estimativa da produção é de 88 014 130 toneladas, com aumento de 38,9%, representando um recorde na série histórica do IBGE, iniciada em 1975. A estimativa da produção do milho 1ª safra é de 29 662 612 toneladas, aumento de 22,0% em relação ao ano anterior. A área a ser colhida e o rendimento médio devem crescer 12,3% e 8,6%, respectivamente. A boa safra decorre dos preços mais rentáveis do produto por ocasião do plantio, que incentivou os produtores a aumentarem a área plantada e a tecnologia aplicada nas lavouras. O clima mais chuvoso nos principais estados produtores também é indicativo do aumento do rendimento médio. Minas Gerais, com uma produção de 5 636 320 toneladas, Rio Grande do Sul, com 5 566 945 toneladas e Paraná, com 4 400 229 toneladas são os três maiores produtores da safra verão (1ª safra), devendo participar com 52,3% do total a ser colhido nessa época. Para o milho 2ª safra, a estimativa da produção alcança 58 351 518 toneladas, aumento de 49,5% em relação ao ano anterior. A área a ser colhida e o rendimento médio devem crescer 9,2% e 36,9%, respectivamente, em decorrência das expectativas de um ano mais chuvoso, notadamente no bioma Cerrado, que abrange parte dos estados produtores desse cereal.

Soja (em grão)

Com o início da colheita nos principais estados produtores de soja, a expectativa no ano de 2017 segue otimista, com uma produção de 107 039 408 toneladas, valor 11,8% superior ao averiguado em 2016. Para o Mato Grosso, estima-se uma produção de 29 875 115 toneladas, com aumento de 13,7%. No Paraná, espera-se uma produção de 18 524 206 milhões de toneladas, com alta de 10,1% em relação a 2016, um novo recorde para o estado. No Rio Grande do Sul, com o plantio praticamente finalizado, estima uma produção de 16 378 540 toneladas, 1,1% superior a 2016, em uma área plantada sem significativa alteração. O Nordeste, que em 2016 enfrentou uma seca, espera alta de 84,8% na produção. Em destaque, a Bahia, onde aumentos de 5,0% na área a ser plantada e de 42,6% no rendimento médio devem ocasionar uma produção de 4 812 000 toneladas. No Piauí, o aumento da área plantada, as chuvas e a baixa incidência de pragas indicam alta de 229,7% na produção, que pode alcançar 2 123 970 de toneladas. Minas Gerais é o único grande produtor onde se espera queda (-5,1%) na produção, devido ao veranico no noroeste do estado e à opção de muitos produtores pelo plantio do milho.

Sorgo (em grão)

A estimativa da produção para 2017 cresceu 62,0% frente a 2016. O rendimento médio deve aumentar 43,7% e a área a ser colhida 12,8%, alcançando uma produção de 1 893 862 toneladas. Regionalmente, a produção deve crescer 62,8% no Nordeste, 25,8% no Sudeste e 95,1% no Centro-Oeste, que participa com 58,5% do total a ser produzido. Goiás, com uma estimativa de produção de 836 689 toneladas, deve ser o principal produtor do país, com participação de 44,2% do total.

O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) acompanha mensalmente as safras dos principais produtos agrícolas, através de comissões municipais, regionais e da Comissão Especial de Planejamento Controle e Avaliação das Estatísticas Agropecuárias (CEPAGRO), integrada pelo IBGE e o Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (MAPA). Os levantamentos para cereais (arroz, milho, aveia, centeio, cevada, sorgo, trigo e triticale), leguminosas (amendoim e feijão) e oleaginosas (caroço de algodão, mamona, soja e girassol) foram realizados em colaboração com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), do MAPA, num processo de harmonização das estimativas iniciado em 2007.

Leia Também

Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Coronavírus
Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Mercado Externo
Arábia Saudita retoma importação de frigoríficos de MG após embargo de 10 dias
As compras haviam sido suspensas no dia 6, após a confirmação de um caso atípico do "mal da vaca louca" no Estado
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Meio Ambiente
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados
Feiras & Eventos
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados