Menu
Busca quarta, 21 de outubro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
29ºmax
21ºmin
Notícias

Em dez dias, arroba do boi cai 1,74% em Campo Grande

06 maio 2010 - 00h00Por Jefferson da Luz - Via Livre Comunicação.

No período de 26 de abril a 05 de maio a arroba do boi gordo caiu 1,74% em Campo Grande (MS), hoje é cotada a R$ 75,00 (à vista livre de Funrural) . De 5 de abril a 5 de maio a arroba chegou até a subir, foi a R$ 76,00 (26/04), mas recuou. A queda, ou estabilidade, do produto no neste período de um mês ainda não foi suficiente para neutralizar a escalada que a arroba teve em março, 4,39%, no acumulado do ano a apreciação da arroba chega a 8,69%.

Quanto à vaca, de 26 de abril a 5 de maio a queda foi de 1,86%, hoje (06/05) a arroba da vaca reagiu, é vendida a R$ 71,00, mas ainda é R$ 0,33 mais baixa do que há um mês.

Em abril, a queda de braço entre pecuaristas e os frigoríficos foi muito grande. Produtores represando o gado e a indústria se recusando a pagar mais, na segunda metade do período os frigoríficos cederam, isso melhorou a oferta significativamente e os preços da arroba voltaram cair.
 Atualmente, as escalas dos principais frigoríficos da capital estão longas, com seis dias. Animais negociados hoje estão sendo agendados para o dia 14 ou 15 de maio, uma folga de quase até dias. 

Mudanças - Nas últimas semanas, o frigorífico JBS-Friboi, que tradicionalmente só comprava à vista, passou a oferecer a opção de venda a prazo. Uma das justificativas para esse tipo de negociação foi a integração operacional com o frigorífico Bertin, incorporado ao Grupo JBS no ano passado. Segundo os compradores, muitos pecuaristas estavam acostumados com a venda a prazo praticada pelo Bertin e solicitaram a volta. No entanto, o volume de gado negociado a prazo não é significativo.

A venda para se receber em trinta dias não é mais aquela que o pecuarista estava acostumado a realizar, na qual a diferença era de 2%. O que era interessante como “investimento”, já que oferecia mais rendimento do que a maioria das aplicações bancária de curto prazo. Hoje, não se fala em percentual e sim em valores, e a diferença é de R$ 1,00 na arroba, quer de boi ou de vaca; ou seja, juros de 1,31% na venda de machos, e de 1,4% quando se trada de venda de fêmeas. Ainda mais alto que os juros da poupança. Agora, cabe ao produtor avaliar se a diferença compensa o risco.