Menu
Busca quinta, 24 de junho de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
31ºmax
19ºmin
Notícias

CNA e ABPA debatem crise na avicultura e suinocultura

16 maio 2018 - 23h00Por CNA
CNA e ABPA debatem crise na avicultura e suinocultura

O Comitê de Gestão de Crise de Aves e Suínos, composto por representantes da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), se reuniu nesta terça (15) para debater os problemas enfrentados pelos setores no mercado doméstico e internacional.

 
O objetivo do colegiado é assegurar a sustentabilidade na avicultura e suinocultura e o emprego dos trabalhadores nas indústrias, diante da queda de preços dos produtos e das exportações, além da alta dos custos de produção.
 
Um dos assuntos discutidos foi o pedido da CNA atendido pelo Banco do Brasil quanto à simplificação no processo de prorrogação de dívidas das operações de custeio e investimento. A medida beneficia produtores rurais, cooperativas e agroindústrias que desenvolvem as atividades de avicultura e suinocultura.
 
“O Banco entendeu a crise que o setor está enfrentando e permitiu a prorrogação de dívidas de custeio por um prazo de dois anos e as de investimento para um ano adicional ao final do contrato para cada parcela adiada”, disse o Superintendente Técnico da CNA, Bruno Lucchi.
 
Bruno explicou que foi uma importante ação da CNA e que agora o setor deve buscar trabalhar a mesma medida em outros bancos públicos e privados e estender o financiamento de linha de crédito de custeio também para a indústria. 
 
A alta nos preços do milho, principal insumo da ração animal, foi outro tema de discussão. A CNA informou aos participantes da reunião que já solicitou ao governo leilões no formato de Valor de Escoamento de Produto (VEP) e a reestruturação da venda de milho balcão para 40 toneladas mensais por cadastro. “A venda de milho balcão já saiu, mas a quantidade não atende os produtores, já que o limite mensal por cadastro é de 14 toneladas”, afirmou o assessor técnico da CNA, Victor Ayres.
 
Com relação à situação dos produtores integrados frente à crise, Victor explicou que pela lógica do modelo de integração, o produtor que está inserido em um sistema integrado deve ter a garantia de rentabilidade mínima e estar protegido ante as oscilações de mercado.
 
“Por conta da crise, algumas unidades estão reduzindo os abates ou até mesmo paralisando as atividades. Mas o produtor precisa pelo menos receber o pagamento para quitar dívidas de financiamentos e um custeio mínimo para arcar com as despesas da sua granja, independente de estar desalojado”, disse Victor.
 
Participaram também da reunião o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC), José Zeferino Pedrozo, a Superintendente de Relações Internacionais da CNA, Lígia Dutra, o coordenador do Grupo Técnico de Defesa Sanitária da CNA, Decio Coutinho, além de representantes da agroindústria de aves e suínos.

Leia Também

STF deve julgar ação de demarcação de terras indígenas no dia 30
Repercussão geral
STF deve julgar ação de demarcação de terras indígenas no dia 30
Fim dos Conflitos
Câmara aprova projeto que regulamenta demarcação de terras indígenas
Aprovado o mérito na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, o substitutivo ao PL 490/2007 aguarda análise dos destaques para seguir ao Plenário
Notícias
Cai diferença entre valor da arroba e carne no atacado
Com mercado do boi gordo em banho-maria, estabilidade nos preços da arroba é mantida
Análise
Com mercado do boi gordo em banho-maria, estabilidade nos preços da arroba é mantida