Menu
Busca quarta, 26 de janeiro de 2022
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
34ºmax
23ºmin
MERCADO

Capacidade de retenção do boi gordo pelo pecuarista será maior no 1º bimestre

Mesmo com uma frente confortável em suas escalas de abate, os frigoríficos encontram dificuldades em exercer pressão sobre o mercado

14 janeiro 2022 - 08h55Por Canal Rural

O mercado físico do boi gordo apresenta preços firmes nesta semana. Mesmo com uma frente confortável em suas escalas de abate, os frigoríficos encontram dificuldades em exercer pressão sobre o mercado, como avalia o analista da Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias. “Essa é uma consequência da boa capacidade de retenção que o pecuarista apresenta no decorrer do primeiro bimestre, com pastagens em ótimas condições no Centro-Norte do país”, diz.

“A cadência das negociações será uma constante no curto prazo, tanto que o mercado é menos fluído no decorrer da semana. Animais padrão China ainda carregam ágio de até R$ 15, em relação a animais destinados ao mercado doméstico”, analisa Fernando Henrique Iglesias. Em São Paulo, no interior do estado, os preços ficaram em R$ 342/@, estáveis.

No triângulo mineiro negócios em R$ 337 a arroba, contra R$ 335 do dia anterior. Em Goiânia, cotação avançou para R$ 327 a arroba, no comparativo com R$ 325/@ a prazo anteriormente. Em Mato Grosso do Sul, o boi gordo ficou posicionado em R$ 323/@ a prazo, sem mudanças. Em Mato Grosso, a arroba foi indicada em R$ 316 a arroba, contra R$ 314 a prazo do dia anterior.

Atacado

O mercado atacadista apresentou preços acomodados ao longo da quinta-feira. Segundo Iglesias, o ambiente de negócios ainda sugere pouco espaço para reação. “O cenário doméstico é bastante difícil, considerando as despesas usuais que descapitalizam o consumidor no período, a exemplo do IPTU, IPVA e a compra de material escolar. Além disso, as proteínas concorrentes estão em franco descenso, ou seja, a opção será por proteínas mais acessíveis”, comenta Iglesias.

O quarto traseiro ainda é precificado a R$ 24,90, por quilo. Quarto dianteiro ainda é cotado a R$ 15,50. Ponta de agulha permanece precificada a R$ 15,40, por quilo.