Menu
Busca quinta, 25 de abril de 2024
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
28º
Consumo

Brasil deve consumir mais carne bovina em 2023, avalia Rabobank

Com safra recorde de grãos e inversão do ciclo pecuário, banco holandês projeta também um alívio nos custos, o que tende a favorecer frigoríficos menores voltados ao mercado interno

10 novembro 2022 - 12h20Por Agência Safras
Brasil deve consumir mais carne bovina em 2023, avalia Rabobank

Se nos últimos três anos o consumo brasileiro per capita de carne bovina chegou ao seu menor patamar em mais de uma década, ao longo de 2023 as perspectivas são de crescimento nas vendas no mercado interno – a primeira desde 2018.

Segundo projeção divulgada na quarta-feira (09/11) pelo banco holandês Rabobank, o volume consumido pelos brasileiros deverá passar dos atuais 27,7 quilos por habitante ao ano para 28,2 quilos, avanço de 1,5%. “O cenário base que a gente está trabalhando é de uma recuperação econômica do poder de compra refletindo um ambiente econômico de menos juros e menos inflação, o que deve favorecer o consumo de carne bovina”, explica o analista de proteína animal do banco, Wagner Yanaguizawa.

A produção de carne bovina no ano que vem deve ser de 10,5 milhões de toneladas, crescimento de 2%. O analista destaca a queda nos preços do bezerro e o aumento do descarte de fêmeas este ano como sinais de inversão do ciclo pecuário, com maior oferta de animais prontos para abate e redução no preço médio da arroba, hoje próximo dos R$ 300.

“Esse cenário de maior oferta deve pressionar os preços da arroba, mas também deve recuperar os níveis de consumo doméstico, principalmente por conta dessa queda muito forte que a gente está vendo nos últimos anos”, pontua o analista.

Yanaguizawa menciona também a preferência do brasileiro pela carne bovina em detrimento de aves e suíno, cuja demanda foi favorecida pela perda do poder de compra da população nos últimos anos. “A gente sabe muito bem que existe um apelo cultural forte pra carne bovina por parte do brasileiro, então se tiver diferença de preços menores em relação à carne de frango e suína a gente e verá incrementos no consumo de carne bovina no mercado doméstico”, observa.

Principais prejudicados pela queda no consumo interno de carne bovina, os frigoríficos de pequeno e médio porte devem ser os mais beneficiários dessa recuperação, caso se confirmem as previsões do Rabobank. Sem acesso ao mercado internacional, muitos fecharam as portas nos últimos anos, quando o setor enfrentou aumento de custos e queda na receita.

“De fato, quem conseguiu passar por esse momento desafiador pelos custos, mesmo com margens mais estreitas, e conseguiu se manter no setor, não tenho dúvida de que a partir do ano que vem estará vislumbrando um cenário melhor em termos de liquidez”, explica Yanaguizawa.