Menu
Busca segunda, 20 de setembro de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
38ºmax
26ºmin
Notícias

Boiada come capim nativo e ajuda a conservar ambiente do Pantanal

24 novembro 2017 - 12h44Por Globo Rural

A pecuária de corte é fundamental para a conservação do meio ambiente do Pantanal e uma das atividades que auxiliam a sobrevivência e a manter o homem na região há mais de dois séculos. Estudiosos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Pantanal) são unânimes: a maneira como a criação e a engorda de bois são praticadas permite a preservação de 82% da planície pantaneira – nenhum outro bioma do país perdeu apenas 18% de sua área natural. É que a boiada cresce no pasto e come o mesmo capim nativo há mais de 200 anos. As boas práticas produtivas excluem a utilização de produtos químicos no solo e de remédios alopáticos e antibióticos na cura do gado. A homeopatia é largamente utilizada. Rios e igarapés são mais protegidos e o boi fornece carne saudável e saborosa.

 
“Não há agressão à natureza na planície. Animais convivem pacificamente entre si e com o homem sem ameaça à biodiversidade”, afirma Jorge Antonio Ferreira de Lara, chefe-geral da Embrapa Pantanal, de Corumbá (MS). Já na parte alta do Pantanal, a ocupação do solo pelas lavouras de grãos e pela cana provoca danos como a redução de biodiversidade e o comprometimento das nascentes, dizem os especialistas.
Há anos, a Associação Brasileira de Produtores Orgânicos (ABPO), de Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul, produz uma carne orgânica e sustentável respeitando o meio ambiente, o bem-estar animal e a qualidade de vida do homem. O produto é distribuído pela Korin, empresa brasileira que opera somente com alimentos naturais. A partir do mês passado, a ABPO deu um passo decisivo ao conquistar um protocolo de certificação que irá valorizar ainda mais a pecuária do Pantanal. Comandaram a iniciativa a ABPO e o WWF, ONG ambiental, e o documento foi assinado por Leonardo Leite de Barros, que preside a entidade de Mato Grosso do Sul, e pela Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA). A fiscalização cabe ao Ministério da Agricultura e Pecuária.
 
É o primeiro protocolo de certificação sustentável com esse foco no Brasil, diz Leonardo. “Para nós, foi a realização de um sonho: aumentar a presença no mercado e valorizar o homem pantaneiro, sua cultura e os processos produtivos que há mais de 200 anos preservam o bioma.”
 
Segundo ele, as regras são assentadas em três pilares: 1) o animal tem de nascer no Pantanal; 2) o gado deve comer pasto nativo. São 12 tipos de gramíneas que só vicejam na região; 3) conservação do meio ambiente e foco no bem-estar do gado.
 
A ABPO é formada por 18 propriedades espalhadas pelo Pantanal. O rebanho total é de 80 mil animais e o abate ao mês gira em torno de 500 a 600 animais. Segundo Leonardo de Barros, a ABPO atua em uma área certificada de 110.000 hectares no Pantanal. “A tendência é aumentarmos cada vez mais o espaço, por conta da demanda acentuada pela carne”, diz ele.
 
A carne sustentável do Pantanal é distribuída pela Korin para casas como Zaffari, Wessel e outras. São nichos de mercado, portanto, e que pagam um percentual a mais que varia de 2% a 12%.
 
De acordo com Reginaldo Morikawa, superintendente da Korin, a procura pelo produto realmente tem aumentado. “Começamos distribuindo 5 toneladas de carne ao mês, em 2015. Hoje, estamos em 100 toneladas mensais.” Reginaldo afirma que a marca Pantanal também funciona como um poderoso atrativo.
 
A previsão da empresa é crescer o dobro dentro de dois anos. O executivo acrescenta que houve um incremento na comercialização de carne orgânica e sustentável após a Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal em março deste ano e que acusou algumas marcas de adulteração do produto.
 
No Pantanal, o gado é criado no meio de animais selvagens e come junto com outros herbívoros. É comum ver o boi dividindo espaço nas pastagens com antas, capivaras e veados. “Quando o consumidor faz a opção pela carne saudável que produzimos, ele está também ajudando a conservar o Pantanal e sua tradição cultural”, afirma Leonardo.
 
A parceria entre uma ONG e o setor produtivo é bastante comentada, afinal, ambos deixam de lado antigas diferenças. “Trabalhar em conjunto com a produção é importante para que nossa missão de produzir em harmonia com a natureza seja alcançada, garantindo a sustentabilidade socioambiental e econômica das futuras gerações”, diz Júlio César Sampaio, coordenador do Programa Cerrado Pantanal do WWF. A ONG atua na região desde 1998.

Leia Também

Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Coronavírus
Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Mercado Externo
Arábia Saudita retoma importação de frigoríficos de MG após embargo de 10 dias
As compras haviam sido suspensas no dia 6, após a confirmação de um caso atípico do "mal da vaca louca" no Estado
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Meio Ambiente
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados
Feiras & Eventos
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados