Menu
Busca quinta, 06 de agosto de 2020
Busca
(67) 99826-0686
Notícias

Biodiesel é a esperança para "salvar" preço do óleo de soja

03 dezembro 2009 - 00h00Por Diário do Comércio & Indústria, por Priscila Machado.

A produção de biodiesel irá sustentar os preços do óleo de soja no Brasil e no mercado internacional em 2010. Mesmo o País registrando o menor índice de exportação da commodity na década, o incremento na demanda do biocombustível, estimulado pelo início do B5 (adição de 5% de óleo vegetal no diesel), a partir de janeiro, será suficiente para absorver o excedente e estimular os preços.

Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), os embarques nacionais do óleo de soja somarão 1,5 milhão de toneladas este ano.

No mercado externo, a tendência é a mesma. Apesar de o USDA indicar um aumento de 1 milhão de toneladas nos estoques mundiais, o crescente consumo deverá equilibrar a relação oferta e demanda do produto.

O 16º leilão de biodiesel realizado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), em novembro, já sinalizou os reajustes que deverão ser impulsionados pelo aumento na produção de biodiesel. O preço do produto foi de R$ 2,33 o litro. No leilão anterior, o valor negociado foi de R$ 2,27 o litro. Para o próximo leilão, que deve acontecer no final de fevereiro, visando o abastecimento no segundo trimestre de 2010, a expectativa é de nova alta. "O B5 vai continuar dando suporte aos preços. Não vamos ver queda para o óleo de soja", afirmou Miguel Biegai, analista da Safras & Mercado.

Desde o lançamento do Programa Nacional de Biodiesel, os preços médios do óleo de soja no mercado interno registram alta anual contínua. A exceção fica no comparativo entre 2009 e 2008, pois no ano passado os picos nas cotações do petróleo, que chegaram a US$ 160 o barril, resultaram em uma elevação atípica.

"Isso é resultado do consumo interno, que tem aumentado drasticamente, fazendo com que a exportação diminua. Ainda assim, os preços do óleo no mercado interno ficam mais firmes", avaliou Biegai.

Segundo o analista, se não fosse a evolução da produção de biodiesel, hoje haveria um enorme excedente de óleo no mundo, exigindo volumes de exportações ainda maiores de grandes produtores como Estados Unidos (EUA) e Argentina. "Sem o biodiesel, o Brasil teria que exportar quase 3 milhões de toneladas de óleo", disse. Biegai destacou ainda a melhoria na rentabilidade do complexo soja. "Antes, o farelo era tudo, agora o esmagamento agrega ainda mais valor", disse.

O governo federal e a iniciativa privada irão lançar até março de 2010 uma agenda conjunta para os próximos cinco anos com o objetivo de ampliar a produção nacional de biodiesel. "Estão sendo desenvolvidas pesquisas com vários produtos, como semente de girassol, pinhão manso, óleo de dendê, canola e até cana-de-açúcar, mas ainda é importante buscar outras fontes de biodiesel", afirmou Manoel Bertone, secretário de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultural. Segundo Sérgio Beltrão, diretor executivo da União Brasileira do Biodiesel (Ubrabio), como algumas das culturas utilizadas para a produção do combustível são perenes, com ciclo de vida longo, é importante haver planejamento a médio prazo.

Brasil Ecodiesel - A Brasil Ecodiesel anunciou ontem que fechou contratos de aquisição de matéria-prima com seus fornecedores de óleo vegetal. O volume, não revelado, será destinado à produção de 65,36 milhões de litros de biodiesel que serão entregues a Petrobras até o primeiro trimestre de 2010. O volume a ser entregue para a Petrobras será produzido por todas as unidades da companhia.

Concorrentes sob pressão - O Conselho Europeu de Biodiesel ameaça apresentar uma denúncia à Comissão Europeia contra as exportações de biodiesel dos EUA para o bloco. Os produtores de biodiesel norte-americano estariam utilizando países para embarcar o combustível para a União Europeia (UE) e contornar as tarifas impostas pelo bloco ao biodiesel norte-americano.

O Conselho também está estudando mecanismos para deter o crescimento das exportações de biodiesel da Argentina para a região uma vez que, segundo o grupo, sediado em Bruxelas, o país estaria utilizando o sistema fiscal para apoiar as exportações.