Menu
Busca domingo, 09 de agosto de 2020
Busca
(67) 99826-0686
Campo Grande
31ºmax
16ºmin
Notícias

Arroba do boi se recupera em SP, mas não deve ser por muito tempo

16 dezembro 2009 - 00h00Por Notícias Agrícolas e Via Livre Comunicação.

As festas de final de ano recuperam aos poucos o mercado do boi gordo e promete se manter assim até a virada de ano, mas o cenário pode ser momentâneo e não fixar preços melhores para o pecuarista no futuro.

De acordo com dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), na praça paulista a arroba do boi para 30 dias teve uma valorização de 2,30% (R$74,94) nos últimos seis dias, no mercado físico a subida está mais lenta, apenas 1,86% (R$73,66) no mesmo período.

Segundo levantamento da Scot Consultoria, normalmente, o começo de janeiro é de mercado firme, porém, em comparativo com os últimos anos, a tendência é de mais estabilidade ao passar as festas da época. As escalas atuais estão em torno de 3 a 5 dias em função dos feriados que antecedem a virada de ano de fato.

Para Maria Gabriela Tonini, consultora da Scot, essa é uma crise que o setor sofre desde o começo do ano, com preços que atingiram patamares extremamente baixistas, mas as expectativas para 2010 são otimistas.

“Se pegarmos planos de retomada de abate, principalmente de frigoríficos que estão fechados ou com plantas arrendadas, devemos ter um estimulo para compra de gado que pode fazer com que os preços subam por conta dessa maior demanda por gado. Agora, precisa ver o mercado interno, se realmente vai haver aumento de PIB [Produto Interno Bruto] e toda a parte da economia e o mercado externo também”, analisa a consultora. 

Mas e aqui? - Em Campo Grande acontece o contrário, aqui a arroba teve uma queda de 1,47% na última semana. Depois de se manter estável por cerca de duas semanas, a arroba iniciou uma movimentação para baixo, e não deve inverter tão cedo.

Desde o dia 10 o frigorífico JBS não compra gado, de acordo com a administração, as aquisições só terão início em 4 de janeiro de 2010. O segundo maior comprador daqui, o Bertin, também deu freada nas compras, mas depois de cinco dias fora do mercado voltou pagando R$ 67 para 30 dias, livre do Funrural, R$ 1 a menos do que em 9 de dezembro.