Menu
Busca sábado, 15 de junho de 2024
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
30º
GLOBAL AGRIBUSINESS FORUM

Alguns preferem morrer de fome do que derrubar uma árvore, diz Bolsonaro

Bolsonaro destacou medidas adotadas em seu governo para facilitar licenciamentos ambientais, permitindo o escoamento da produção rural

26 julho 2022 - 10h26Por Canal Rural

O presidente Jair Bolsonaro fez críticas, nesta segunda-feira (25), às políticas de preservação ambiental, dizendo que, para matar a fome, justifica-se “derrubar uma árvore”. “Quando se fala em fertilizantes, temos tudo aqui no Brasil, mas também o que tem de gente para atrapalhar não está no gibi”, afirmou.

“Alguns preferem morrer de fome a derrubar uma árvore. É uma opção deles, mas não pode ser para o resto do país”, completou o presidente. Bolsonaro participou da abertura do Global Agribusiness Fórum 2022, em São Paulo, e destacou medidas adotadas em seu governo para destravar as concessões na área de infraestrutura e para facilitar os licenciamentos ambientais, permitindo o escoamento da produção rural brasileira.

Segundo o presidente, o agronegócio brasileiro dá segurança alimentar ao país e a cerca de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo. O presidente voltou a citar as conversas com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e com a diretora-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Ngozi Okonjo-Iweala.

“Exatamente por sermos importantes, por sermos aqueles que poderão dizer se o mundo vai passar fome ou não, tem gente de fora interessada no nosso país. Quem não pensa dessa maneira, no meu entender, está devendo muito”, disse.

Jair Bolsonaro citou, ainda, os incêndios na França em críticas à imprensa. “Vocês não estão vendo na imprensa brasileira, mas há um incêndio enorme na França, florestas sendo queimadas. Imagine se fossem poucos hectares do pantanal sul-matogrossense, como estaria a mídia brasileira tratando desse assunto? Lamentamos as milhares de mortes na França, mas essas coisas acontecem e não se pode aproveitar momentos como esse de catástrofes para culpar outros países”, completou.