Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
34ºmax
20ºmin
Notícias

Acrissul participa em Brasília de audiência sobre demarcação de terras para indígenas

28 maio 2013 - 14h24Por Via Livre Assessoria de Imprensa / Acrissul

A Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul) participa nesta terça-feira, 28, juntamente com 20 deputados estaduais, além de membros da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), sindicatos rurais, lideranças municipais, entre outros, de uma audiência a partir das 14:00 hors (DF), na Câmara dos Deputados, para debater com a ministra Chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, o problema envolvendo a invasão de propriedades rurais no Estado por indígenas, que reivindicam a ampliação de reservas.

Na manhã desta terça-feira o encontro acontece na sede do Instituto Pensar Agropecuário, que pertence à Frente Parlamentar Agropecuária da Câmara dos Deputados, que envolve mais de 100 parlamentares federais. 

Ontem, uma audiência pública promovida na Assembleia Legislativa e convocada pelos deputados Zé Teixeira e Mara Caseiro, lotou o plenário da Casa, e contou com o depoimento devários proprietários rurais que foram vítimas de invasão e de violência praticada por indígenas. A violência já causou morte de um segurança em uma propriedade na região Sul do Estado e os produtores rurais temem um agravamento dos conflitos em todo o Estado. 

Atualmente, a invasão à Fazenda Buriti, em Sidrolândia, de propriedade de Ricardo Bacha, ex-deputado estadual, voltou a colocar o Estado em evidência. “Invadiram minhas terras com o apoio da Funai [Fundação Nacional do Índio] no dia 15 de maio. Mantiveram reféns minha esposa e filho, além de quatro funcionários. Fomos retirados da nossa propriedade pela Força Nacional. Tudo orquestrado, no meu ponto de vista, pela Funai”. Para ele, o Governo Federal deve impedir que a fundação continue determinando a desapropriação de terras por meio de ato administrativo.

Com a segunda maior população indígena do país, cerca de 73.300 índios, conforme levantamento realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) durante o Censo (Comitê de Estatísticas Sociais) 2010, Mato Grosso do Sul é lembrado, nacional e internacionalmente, pelos conflitos entre indígenas e produtores. Para o presidente da Assembleia Legislativa, Jerson Domingos, não há outra solução para resolver o impasse além da aquisição de terras para os indígenas. “Eu vejo que Mato Grosso do Sul está à beira da uma guerra civil”, alertou.

A ida dos deputados estaduais à Brasília provocou o trancamento das votações pela Assembleia Legislativa de MS, num ato de apoio aos produtores rurais que tiveram as propriedades invadidas e também para provocar o debate em Brasília em busca de uma solução que resolva o conflito entre fazendeiros e indígenas. É consenso que o problema foi provocado e deve ser solucionado pelo governo federal, já que as terras consideradas indígenas sáo, na verdade, terras da União.