Menu
Busca sábado, 24 de julho de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
33ºmax
17ºmin
Notícias

Acrissul denuncia arrendamento de terras invadidas por indígenas e a obstrução da vacinação contra

24 outubro 2016 - 00h00Por Via Livre Assessoria | Caderno Acrissul em Ação

Em atendimento às  denúncias encaminhadas por proprietários rurais das regiões de Sidrolândia, a Acrissul encaminhou insistentes cobranças à Iagro, para que a agência intensifique a fiscalização em áreas invadidas por indígenas em Mato Grosso do Sul, que não estão permitindo a vacinação do gado contra a febre aftosa e, de forma criminosa, os indígenas estão arrendando as terras invadidas para a criação de gado, de forma totalmente clandestina, colocando em risco o status sanitário de livre de febre aftosa com vacinação, conquistado por Mato Grosso do Sul.

As denúncias de que as terras invadidas estão sendo arrendadas por terceiros partiram dos associados da Acrissul, Ricardo Augusto Bacha e Vanth Vanni Filho (fazendas Cambará, São José e Buriti), no município de Sidrolândia, que sofreram esbulho de suas propriedades em 2013, tiveram casas queimadas e bens e animais furtados pelos indígenas.

A denúncia encaminhada pela Acrissul também envolve o fato de que os “arrendatários” estão extraindo GTAs (Guia de Trânsito Animal) de forma fraudulenta, para conseguir movimentar o gado para as áreas invadidas pelos indígenas.

Na denúncia encaminhada pelos proprietários, eles ressaltam o fato de que a economia do nosso Estado tem a pecuária como um dos seus pilares de sustentação. “Temos a consciência, enquanto produtores e cidadãos, de que a sanidade do nosso rebanho é condição necessária e imprescindível para a sustentabilidade da atividade”, diz o texto da denúncia dos proprietáriios invadidos.

Em resposta ao ofício da Acrissul, a Iagro informou que tem feito todos os esforços possíveis para fiscalizar as aldeia, porém os indígenas só permitem que a Iagro vacine os animais nos pontos indicados por eles e apenas aqueles que eles conduzem ao local.

Para tentar resolver o problema, a agência sanitária encaminhou ofício à Superintendência Federal da Agricultura, solicitando apoio e orientações sobre como adentrar as áreas invadidas, para maiores investigações sobre as denúncias protocoladas pelos produtores rurais associados da Acrissul.