Menu
Busca sexta, 25 de junho de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
30ºmax
19ºmin
Notícias

A pedido do setor produtivo, Assembleia Legislativa aprova redução do ICMS do diesel

05 junho 2018 - 19h36Por Fiems

Por solicitação do setor produtivo de Mato Grosso do Sul, a Assembleia Legislativa aprovou, nesta terça-feira (05/06), o Projeto de Lei nº 110/2018, apresentado pelo Governo do Estado, para reduzir de 17% para 12% a alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o óleo diesel, por período indeterminado. Somada às medidas aplicadas pelo Governo Federal, a estimativa é de que o preço do litro diesel seja reduzido em até R$ 0,60 nos postos de combustíveis sul-mato-grossenses. 

Os deputados estaduais aprovaram o projeto por unanimidade, em regime de urgência urgentíssima, e, ainda nesta tarde, irão devolver o texto ao Governo, que publicará a lei no Diário Oficial do Estado e, então, a nova alíquota entra em vigor. A redução é uma reivindicação apresentada pelo CMC (Comitê de Monitoramento de Crise), que, convocado no dia 28 de abril pela Fiems, Famasul, Acrissul, Faems, Fecomércio/MS, Sebrae/MS e FCDL, apresentou esta e outras propostas para amenizar as perdas da sociedade em razão da greve dos caminhoneiros. 
 
Antes de votar o texto, a Assembleia Legislativa recebeu os membros do CMC, que mostraram os impactos positivos da redução dos cinco percentuais do ICMS sobre o diesel, e o governador Reinaldo Azambuja, que foi pessoalmente entregar o projeto estabelecendo a medida. “O diesel representa cerca de 50% do custo da produção agropecuária. Reduzindo os custos com diesel, toda a cadeia produtiva é beneficiada, porque se reduz também os gastos da produção, com frete, a indústria fabrica mais, e comércio também”, pontuou o presidente da Famasul, Mauricio Saito, que representou o CMC durante a reunião na Casa de Leis.
 
Já o presidente da Fiems, Sérgio Longen, que por motivo de viagem não participou da reunião, reforçou a importância da medida para todo o setor produtivo. “Os deputados têm seu compromisso com o desenvolvimento do Estado e com suas bases, mas sabem que essa medida beneficiará todo o setor produtivo e, consequentemente, toda a sociedade. Entendo que o Governo do Estado, ainda que em um momento de dificuldade, também mostrou um compromisso com o desenvolvimento, contribuindo para a melhoria da competitividade na logística de produtos do Estado inteiro”, avaliou.
 
“O que o governador faz ao baixar esta alíquota corrige uma distorção que há tempos vem sendo praticada, porque o empresário é penalizado com impostos para suprir demandas orçamentárias, o que vem resultando em sucessivas perdas e que, agora, podem ser compensadas”, completou o vice-presidente regional da Fiems, Luiz Cláudio Sabedotti Fornari, que também esteve na reunião. O diretor-corporativo do Sistema Fiems, Cláudio Jacinto Alves, também elencou os benefícios da medida. “Para a indústria, especificamente, a redução da alíquota vai representar um fôlego principalmente para os segmentos da mineração, sucroenergético e papel e celulose”, disse.
 
O presidente da Assembleia Legislativa, Junior Mochi, intermediou com os deputados estaduais o acordo para que o projeto de redução da alíquota do diesel fosse aprovado de forma tão rápida. “Normalmente, um projeto de lei leva, em média, 60 dias para ser aprovado. Hoje asseguramos a otimização de todos os prazos regimentais e chegamos a um acordo com todas as lideranças partidárias para que o texto fosse aprovado no mesmo dia, em regime de urgência urgentíssima”, pontuou.
 
Radar Industrial
Levantamento realizado pelo Radar Industrial da Fiems aponta que o impacto médio estimado no preço final do litro do óleo diesel com a redução da alíquota do ICMS de 17% para 12% será de R$ 0,20 a menos no valor final do produto. Esse valor leva em consideração o fato de o consumo total de óleo diesel em Mato Grosso do Sul ser de 1,24 bilhão de litros e que o preço médio do litro do combustível estava em R$ 4,05 nas cidades de Campo Grande, Corumbá, Coxim, Dourados, Nova Andradina, Ponta Porã e Três Lagoas na semana de 20 a 26 de maio. 
 
Assim, caso o consumo total de diesel se mantenha no patamar de 1,24 bilhão de litros, a economia total para os consumidores do combustível no Estado, ao longo de um ano, seria de aproximadamente R$ 250 milhões. Entre os segmentos industriais que fazem uso intensivo do diesel em suas operações produtivas podem ser destacados o sucroenergético, a celulose e o extrativo mineral. As atividades de corte, carregamento e transporte de cana e eucalipto demandam permanente uso de máquinas e equipamentos com elevado consumo de óleo diesel para seu funcionamento. O mesmo ocorre com a atividade de escavação, carregamento e transporte no segmento extrativo mineral.
 
Estima-se que, em média, o consumo de diesel represente de 12% a 17% de todo custo das operações industriais nestes segmentos. Assim, considerando os valores indicados na PIA (Pesquisa Industrial Anual do IBGE) para o custo total das operações industriais, temos que o extrativo mineral tem como custo operacional o valor de R$ 365,7 milhões, sendo que, em média, o custo com consumo de diesel seria de R$ 53 milhões. Dessa forma, considerando o impacto obtido com a redução do ICMS de 17% para 12%, a economia potencial seria de R$ 3 milhões.
 
Já o segmento sucroenergético o custo operacional é de R$ 2,75 bilhões, sendo que, em média, o custo com consumo de diesel seria de R$ 399 milhões. Assim, considerando o impacto obtido com a redução do ICMS de 17% para 12%, a economia potencial seria de R$ 20 milhões. No caso da celulose, o custo operacional é de R$ 839,9 milhões, sendo que, em média, o custo com consumo de diesel seria de R$ 122 milhões. Assim, considerando o impacto obtido com a redução do ICMS de 17% para 12%, a economia potencial seria de R$ 6 milhões.

Leia Também

STF deve julgar ação de demarcação de terras indígenas no dia 30
Repercussão geral
STF deve julgar ação de demarcação de terras indígenas no dia 30
Fim dos Conflitos
Câmara aprova projeto que regulamenta demarcação de terras indígenas
Aprovado o mérito na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, o substitutivo ao PL 490/2007 aguarda análise dos destaques para seguir ao Plenário
Notícias
Cai diferença entre valor da arroba e carne no atacado
Com mercado do boi gordo em banho-maria, estabilidade nos preços da arroba é mantida
Análise
Com mercado do boi gordo em banho-maria, estabilidade nos preços da arroba é mantida