Menu
Busca quinta, 29 de outubro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
24ºmax
19ºmin
Expogrande

Mercado precisa crescer para dar conta do entusiasmo do setor florestal em MS

23 março 2010 - 00h00Por Carlos Henrique Braga/Via Livre Comunicação

Mato Grosso do Sul precisa rever sua cultura de produção primária e desenvolver sua indústria para alcançar almejados 1 milhão de hectares de florestas plantadas em 2030. É um plano possível, segundo o engenheiro agrônomo Benedito Mário Lázaro, diretor executivo da Associação Sul-Mato-Grossense de Produtores e Consumidores de Florestas Plantadas (Reflore). Ele afirma que o mercado ainda precisa crescer e que empresas de móveis em MDF — placa de fibra de madeira —  já percorrem o Estado ao lado de fundo de pensão. Este seria responsável pelo investimento no plantio da matéria-prima.

Lázaro lembra que, em 2003, havia apenas 90 mil hectares de eucalipto e pinus em MS. Hoje, são 310 mil hectares, e um mercado em expansão. “Mas não adianta só ter madeira, é preciso uma cultura industrial no Estado”, recomendou, durante palestra na manhã de hoje(23), na Expogrande 2010.

Com o embalo das florestas, produtores podem ganhar com a diversificação da produção e, da mesma maneira, o Estado lucra com o incremento das matrizes econômicas. Produtores podem apostar em pinus, para serralheria; eucalipto, para siderúrgicas; ou celulose, para fabricação de papel. Para dar conta da produção de 1 milhão de hectares, desejo do segmento para 2030, será necessário, de acordo com o engenheiro, pelo menos mais duas empresas de celulose, de fabricação de móveis e siderúrgicas.

Preparação para expandir

O impulso no setor começou por volta de 2004, quando a International Paper chegou a Três Lagoas. O investimento atraiu outras empresas, e o Estado subiu no ranking de produção, chegando a 8° lugar entre os estados brasileiros. Segundo Lázaro, para desenvolver o setor, ainda é preciso investir em meios de transporte e qualificação da mão de obra local.

O Centro de Tecnologia de Florestas pode ser outro motor para o segmento. “Estamos analisando, e ele deve estar em funcionamento até o ano que vem”, diz Lázaro. O projeto consta no Plano de Desenvolvimento do Setor de Florestas Plantadas, lançado pelo Governo do Estado no último ano. Na avaliação do engenheiro, o plano estipula diretrizes para o fortalecimento da atividade e do mercado sul-mato-grossense.

Veja outras palestras de hoje (23) na Expogrande 2010:

13h30 - Comprometimento Social com a Saúde Animal de Vegetal, com a secretária de Produção e Turismo do Estado, Tereza Cristina Corrêa da Costa;
 
14h10 – Sanidade Animal de MS no Contexto Mundial;
 
14h30 – Apresentação da Iagro, com a diretora Maria Cristina Carrijo;
 
14h50 – Trabalhos Desenvolvidos na Zona de Alta Vigilância (ZAV), com médico veterinário da Iagro Luciano Chiocheta;
 
15h30 – Trabalhos em Educação Sanitária, com pedagoga da Iagro Terezinha Feldens;
 
15h50 – Serviço de Inspeção Estadual, com médica veterinária da Iagro Talita Pardo;
 
16h10 – Laboratório de Diagnósticos de Doenças Animais (Laddan), com médica veterinária da Iagro Maria Amorim;