Menu
Busca sábado, 18 de setembro de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
38ºmax
22ºmin
Agricultura

Relatório sobre defensivos agrícolas pode ser votado na próxima semana

10 maio 2018 - 21h53Por FPA

A Comissão Especial da Câmara dos Deputados que analisa o PL 6299/2002 sobre os defensivos fitossanitários voltou a se reunir na manhã desta quarta-feira (9). A presidente da Comissão, deputada Tereza Cristina (DEM-MS) concedeu vistas coletivas aos parlamentares. Uma nova reunião foi agendada para a próxima terça-feira (15).

 
Em seu discurso, o deputado Luiz Nishimori (PR-PR), relator da matéria, afirmou que o debate é importante, mas a modernização da lei é benéfica para a sociedade, para o país. “A proposta será a melhor para a sociedade brasileira. O meu relatório já foi apresentado e o tema discutido intensamente nos últimos dois anos. Ainda assim, estou aberto ao debate para melhorias e sugestões ao texto. O que não se pode é obstruir esse processo democrático”, defendeu o relator.
 
Na primeira deliberação do dia foi votado requerimento para inversão de pauta apresentado pelo deputado Valdir Colatto (MDB-SC), coordenador de Meio Ambiente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Aprovado por maioria nominal, o requerimento pediu o início da discussão da proposta no intuito de dar celeridade aos trabalhos. Um novo requerimento para a retirada do relatório da pauta de discussão, apresentado pelo deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), também foi votado na primeira parte da reunião e rejeitado pela maioria.
 
Durante a votação, em resposta à alegação do deputado Bohn Gass (PT-RS) de que a Comissão não ouviu o Ministério Público Federal (MPF), a deputada Tereza Cristina (DEM-MS), também líder da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), afirmou que não houve pedido por parte do MPF de audiência pública e que todos os órgãos competentes ao tema, além de representantes da sociedade civil foram ouvidos.
 
“Foram 12 reuniões deliberativas, nove audiências públicas e um seminário. O debate foi construído com dados técnicos, econômicos e científicos trazidos por diversos atores, incluindo especialistas e cidadãos”, comentou a presidente.
 
Avanços
 
Para o deputado Covatti Filho (PP-RS), autor do PL 3200/2015, apensado ao PL 6299/02 que também trata do tema, com a falta de celeridade no registro de defensivos agrícolas no Brasil, que chega a demorar até oito anos, muitos produtos mais eficientes deixam de ser usados nas lavouras do país. “Isso sim prejudica a saúde humana: usar um produto defasado por falta de novas tecnologias já aprovadas em outros países da Europa e América do Sul”, disse.
 
O deputado ainda reiterou que na proposta o Brasil continua cumprindo todas as exigências limitadas pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO-OMS), garantindo a segurança do alimento e a saúde da população. “Todos os critérios estão estabelecidos na lei, assim como os níveis de toxicidade e impactos ambientais. O relatório ainda vai além e pede a padronização das regras usadas em todos os acordos internacionais para o uso dos defensivos. Isso é modernização, pois a lei foi ficando defasada e não acompanhou as evoluções dos tratados internacionais”, destacou Covatti Filho.
 
“O debate é importante, mas é necessário ter cautela com o que é informado de forma errônea à sociedade”, Nilson Leitão (PSDB-MT)
O líder do PSDB, deputado Nilson Leitão (MT), afirmou que a lei proposta não vai aumentar em nada o uso de defensivos no país, muito menos flexibilizar os processos de registros. “O debate é importante, mas é necessário ter cautela com o que é informado de forma errônea à sociedade. É imprescindível produzir com segurança. E para isso, a modernização se faz necessária”, afirmou Leitão.
 
Sobre o uso de produtos no Brasil que não são usados em outros países, o líder foi enfático ao explicar que a questão básica é a diferença de clima. “A Europa deixou de usar muitos produtos no combate de pragas que não existem lá por conta do clima. A neve ajuda a combater as doenças. A lavoura de lá não é a lavoura daqui. Nem as plantas, nem as produções. No Brasil, usa-se, pois o clima propicia um maior número de pragas, além de diferentes doenças”, afirmou o parlamentar.
 
Em seu discurso para orientação do voto, o deputado Marcos Montes (PSD-MG), ex-presidente da FPA, disse que o caminho correto perpassa pelo o que é melhor para a sociedade. “Nós sabemos que defensivos não matam. O Brasil está na sétima posição de uso de defensivos. As informações que chegam são vazias.”, destacou o deputado.

Leia Também

Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Coronavírus
Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Mercado Externo
Arábia Saudita retoma importação de frigoríficos de MG após embargo de 10 dias
As compras haviam sido suspensas no dia 6, após a confirmação de um caso atípico do "mal da vaca louca" no Estado
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Meio Ambiente
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados
Feiras & Eventos
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados