Menu
Busca sexta, 07 de agosto de 2020
Busca
(67) 99826-0686
Campo Grande
30ºmax
18ºmin
Agricultura

MSForte garante safra à 4,8 mil agricultores familiares em 28 municípios

23 outubro 2009 - 00h00Por Seprotur
Alexssandro Loyola

recurso

Campo Grande (MS) – Ação do programa MS Forte na agricultura familiar garante o plantio de 6.349 hectares da safra 2009/10, beneficiando diretamente 4.880 produtores em 28 municípios de Mato Grosso do Sul. A ação é fruto de dois convênios articulados em Brasília pelo deputado federal Waldenir Moka e a Senadora Marisa Serrano junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e serão assinados nesta sexta-feira (23), às 15 horas, no auditório da governadoria, na Capital. 
 
Estarão presentes para a assinatura do convênio que prevê recursos estaduais e federais da ordem de R$ 1,95 milhão, além dos parlamentares idealizadores da iniciativa, o governador em exercício, Murilo Zauith, representantes do Mapa, Secretária de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo (Seprotur), Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, o diretor executivo da Agência de Assistência Técnica e Extensão Rural (Agraer), José Alexandre Ramos Trannin e representantes dos municípios e produtores beneficiados.
 
De acordo com os dados dos convênios que serão celebrados pelo Estado, caberá a Agraer a distribuição de 3.112 sacos de 20 kg de feijão, 4.369 sacos de 20 kg de milho, 424 sacos de 40 kg de arroz, que segundo técnicos da Agraer, seriam suficientes para o plantio de 6.349 hectares de alimentos da cesta básica.
 
No entanto, como revela a secretária Tereza Cristina, além das  sementes, também haverá a liberação de 67.435 sacos de 50 kg de calcário, 380 sacos de 50 kg de adubo, 1252 kits de hortaliças, 150 unidades de capim mombaça e 12 mil litros de óleo diesel, o que, assegura, irá ampliar significativamente a abrangência social e econômica desta ação.
 
Tereza enfatiza ainda a grande sensibilidade do Deputado Moka e da Senadora Marisa Serrano ao assegurar a liberação destes recursos, extra-orçamentários, junto ao governo federal. Ele afirma que a medida irá impactar diretamente muitos pequenos produtores que sofreram com a estiagem no mês de abril - no caso do feijão e milho – além de outros que ainda não têm acesso ao crédito.
 
“Estes insumos vão garantir renda e alimento, resgatando produtores impactados pela estiagem, ou, que ainda não estão estruturados a ponto de acessar o crédito oficial”, salienta, lembrando que a iniciativa vem de encontro ao programa “Tulha Cheia”, que será lançado pelo governo estadual em breve.
 
 “Primeiro precisamos estruturar a produção dos novos assentados, para depois fomentar a busca ao crédito”, adianta.
 
Ação modelo
Com aproximadamente 70 mil produtores da agricultura familiar mapeados pela Agraer, a destinação de insumos para 7% deste universo, justamente no momento do plantio da safra 2009/10, para Trannin, deve ser vista como modelo a ser seguido. Embora a destinação de insumos não seja nenhuma novidade, a liberação em tempo recorde destes recursos extra-orçamentários, se voltarem a ocorrer sistematicamente, podem colocar a agricultura familiar do Estado em outro estágio.
 
“Com o apoio coletivo da bancada federal do Estado, vamos atender muito mais de 5 mil assentados”, destacou.
 
E neste novo cenário, o superintendente de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Agrário da Seprotur, Jerônimo Chaves, acrescenta. “Vamos ter um salto social expressivo. Para ele, o impacto de um esforço coletivo desta magnitude poderá trazer resultados expressivos. “Impactando até a economia, afinal, a introdução do excedente desta produção no mercado, poderá contribuir para a redução do preço dos alimentos consumidos pelos sul-mato-grossense”, conclui.