Menu
Busca segunda, 20 de setembro de 2021
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
38ºmax
25ºmin
Agricultura

Antecipação da renovação de concessões impulsionaria produção agrícola

26 abril 2018 - 23h26Por Revista Globo Rural

A antecipação da renovação das concessões das empresas que exploram o transporte ferroviário no País, que vencem nos próximos 15 anos, daria um grande impulso à produção agrícola. É esta a opinião de Igor Figueiredo, gerente geral de agronegócio da VLI Logística, e de Alessandro Gama, gerente geral do Tiplam, terminal da VLI no Porto de Santos, em São Paulo. “Achamos que é fundamental para o Brasil a antecipação”, diz Figueiredo. “O investimento em infraestrutura gera retorno direto para o campo.” A VLI administra, entre outras concessões, a Ferrovia Centro Atlântica, cujos 8 mil quilômetros interligam sete Estados e o Distrito Federal.

A prorrogação da concessão, por 30 anos, destravaria investimentos da companhia, que já aplicou R$ 9 bilhões em toda a sua malha nos últimos três anos. “Isso é bom para o país porque começa a ter visão de longo prazo para futuros investimento de infraestrutura em geral”, diz Gama. “O Brasil no campo tem tudo para ser o maior produtor de soja do mundo. E a atuação da VLI é destravar o potencial que o campo tem.”

Segundo Gama, um bom exemplo do impulso que a logística proporciona no campo é a Ferrovia Norte Sul, que a companhia administra entre Porto Nacional (TO) e Açailândia (MA), cujo transporte incentivou os investimentos na produção agrícola da região conhecida como Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia). “Nessa região a infraestrutura veio antes da produção e funcionou como indutor da produção agrícola”, argumenta Figueiredo.

A VLI também tem interesse em ampliar sua participação na Norte Sul. Está para ser publicado o edital de leilão e licitação do trecho entre Porto Nacional (TO) e Anápolis (GO) e a Extensão Sul, entre Ouro Verde de Goiás (GO) e Estrela D’Oeste (SP). Empresas estrangeiras, como a chinesa CCCC e a russa RZD, teriam interesse. Figueiredo nega que a VLI tema a concorrência com companhias estrangeiras, explicando que a própria formação de capital da companhia tem participação de corporações estrangeiras: além de Vale (37,6%) e FI-FGTS (15,9%), participam do quadro acionário o fundo canadense Brookfield (26.5%) e a japonesa Mitsui (20%).
 
“Trabalhamos com parceria entre governos e iniciativa privada. O investimento em infraestrutura é sempre positivo”, diz Figueiredo. “O capital estrangeiro é bem-vindo. E, se for bem aplicado dentro de um plano estratégico para o País, isso é favorável”, complementa Gama, que rebate acusações de que haja um cartel no setor ferroviário. “Isso é um equívoco. A malha é limitada, disputada por várias empresas, que pagam para trafegar na concessão de outra empresa. O importante é ter eficiência e gerar volume.”

Leia Também

Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Coronavírus
Decreto revoga limitação de lotação em eventos, mas mantém Regime Especial de Prevenção
Mercado Externo
Arábia Saudita retoma importação de frigoríficos de MG após embargo de 10 dias
As compras haviam sido suspensas no dia 6, após a confirmação de um caso atípico do "mal da vaca louca" no Estado
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Meio Ambiente
Seca no rio Paraguai segue crítica e chuvas devem ser insuficientes na primavera
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados
Feiras & Eventos
Expoagro: secretário Riedel e ministro do Turismo visitam feira em Dourados