Notícias

Especialistas ressaltam a importância da fiscalização contra a peste suína

14 de outubro de 2019

Depois da confirmação do terceiro caso de peste suína clássica (PSC) no Brasil, representantes do Ministério da Agricultura (Mapa) e da indústria brasileira de carne suína reafirmam a importância de se manter a fiscalização e o controle da doença. Foi durante um evento sobre a suinocultura, realizado na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na capital paulista. Nesta sexta-feira (11/10) foi reportada pelo governo uma ocorrência em um criatório no município de Traipu, em Alagoas.

Lia Coswig, médica veterinária e auditora fiscal federal agropecuária afirma que “o Ministério está elaborando um plano estratégico Brasil Livre de Peste Suína Clássica e esses aparecimentos dos focos são decorrências do trabalho de vigilância que está sendo feito pelas secretarias de agricultura dos estados. Se fez um trabalho de educação sanitária e vigilância. Esse achado foi importante, porque mostra que os estados estão trabalhando para a erradicação”.
 
Ela lembra que todos os animais infectados pela doença são sacrificados. No comunicado oficial, o Ministério informou que as primeiras medidas tomadas no criatório alagoano são "investigações de propriedades situadas no raio de 10 quilômetros em torno do foco e propriedades com algum vínculo epidemiológico, além do pronto atendimento a todas as notificações de suspeitas"
 
Terceiro estado brasileiro a registrar uma ocorrência de peste suína clássica, Alagoas far parte da área considerada não livre da doença. Essa região inclui também Ceará e Piauí, onde foram identificadas as duas ocorrências anteriores, além de Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, Maranhão, Rio Grande do Norte e Pernambuco.
 
No entanto, 95% da produção brasileira de carne suína e 100% do volume exportado são provenientes da região considerada livre da doença, que integra 15 estado e o Distrito Federal. Para José Antonio Ribas, diretor de Agropecuária da Seara, o trabalho de inspeção é positivo para o mercado brasileiro. “O que a gente quer é mobilizar [a fiscalização], para não deixar se tornar uma crise. Apesar dos 11 estados não estarem na zona livre, nós queremos cuidar deles também. Que bom que o Ministério está se mobilizando, porque a suinocultura brasileira é muito relevante para a economia nacional”, ele afirma.
 
De acordo com a Instrução Normativa nº 25, de 2016, do MAPA, é proibida a circulação de suínos, animal genético, produtos e subprodutos da zona não livre para a zona livre. E, apesar de ser semelhante à peste suína africana, que tem dizimado a produção de suínos, especialmente na China, a  Embrapa Suínos e Aves classifica a PSC como menos severa. Entre os principais sintomas, o suinocultor deve observar: febre, alta mortalidade em animais jovens, manchas hemorrágicas (avermelhadas) na pele do animal, incoordenação motora, conjuntivite e diarreia.

Fonte: Revista Globo Rural
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Perspectiva é de preços de soja firmes até o fim do ano, diz Scot Consultoria 04 de junho de 2020 Embora a soja tenha caído de preços nas últimas semanas, a perspectiva ao longo do ano no Brasil ainda é de preços firmes para a oleaginosa, diss...
Brasil bate recorde com exportações de carne bovina em maio 04 de junho de 2020 As exportações brasileiras de carne bovina vão de vento em popa. Nesse caso específico, apesar da pandemia do coronavírus. Segundo dados da Secre...
Efeito da covid-19 sobre o mercado de trabalho agropecuário se acentua em abril 04 de junho de 2020 Neste segundo relatório de acompanhamento mensal da mão de obra na agropecuária, utilizando informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domic...
Agropecuária é único setor da economia com crescimento na pandemia, diz IBGE 04 de junho de 2020 A agropecuária apresentou crescimento de 0,6% no primeiro trimestre de 2020 em comparação ao quarto trimestre de 2019, conforme dados divulgados ne...
Boi/Cepea: média mensal da arroba é a terceira maior da série 04 de junho de 2020 As exportações brasileiras em volumes recordes e a baixa oferta doméstica de animais prontos para o abate continuam sustentando os preços da arrob...
MS está em alerta para chuvas intensas e ventos de até 60 km/h 04 de junho de 2020 O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu aviso de chuvas intensas para 25 municípios sul-mato-grossenses no decorrer desta quinta-feira (4...
Milho: preços mais frouxos com o início da colheita da segunda safra 04 de junho de 2020 Desde o final de maio, com o início da colheita no país, queda do dólar e nenhuma mudança do lado do consumo doméstico, os preços do cereal cede...


Foto: Divulgação
Educação sanitária e vigilância estão no radar das secretarias de agricultura