Menu
Busca quarta, 23 de setembro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
31ºmax
17ºmin
Pecuária

Evento promove intercâmbio de informações sobre pecuária de corte entre Brasil e Austrália

09 outubro 2012 - 00h00Por CANAL RURAL

 Brasil e Austrália são os maiores exportadores de carne bovina do mundo, mas são dois países que ainda têm muito a aprender para avançar na produção e comercialização de alimentos. Foi para promover um intercâmbio entre os países que a Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), o Polo de Excelência em Genética Bovina e a Associação dos Criadores de Brahman do Brasil estão promovendo o Workshop Brasil x Austrália, que acontece em Uberaba (MG) de 8 a 14 de outubro.

Nesta terça, dia 9, os participantes fizeram um turismo na fazenda, o chamado farm tour, e visitaram as centrais de inseminação artificial e fertilização in vitro. Nos piquetes da central de inseminação artificial, os visitantes viram três das quatro raças zebuínas formadoras da raça brahman; o nelore, o gir e o guzerá. Ouviram explicações sobre as características econômicas de cada um dos animais e o que elas significam para o sistema de produção de carne no Brasil. Entre os visitantes estavam três pesquisadores australianos, estudantes da Bolívia e Colômbia e também pesquisadores, técnicos e estudantes brasileiros.

A proposta do Workshop Brasil x Austrália é mostrar como é feita a pecuária de corte em cada um dos países e ver no que um pode contribuir com o outro, já que são muito parecidos no clima e usam raças zebuínas como principal fonte de produção de carne. Brasil e Austrália são os dois maiores exportadores de carne bovina do mundo, mas tem muitas diferenças na forma de comercialização. Enquanto o Brasil exporta 25% do que produz, a Austrália exporta 60%.

Um intercâmbio fortalecido entre os dois países favorece, na opinião dos especialistas, não só Brasil e Austrália, mas o mundo todo. O avanço da pecuária feita nos trópicos e a disseminação desse conhecimento pode ser a garantia de fornecimento de proteína bovina para a população mundial nas próximas décadas.

Para o professor em segurança alimentar da Universidade de Queensland, Michael DÓcchio, o papel de alimentar o mundo passa também pelos países menores, que dependem, inicialmente, das nações mais evoluídas para aquisição de tecnologia. E ele reconhece o avanço do Brasil, nos últimos anos, nesse sentido.

O grupo visitou também uma central de fertilização in vitro, tecnologia na qual o Brasil se destaca. Estima-se que em todos os embriões produzidos em laboratórios no mundo, 70% são feitos no Brasil.