Menu
Busca segunda, 10 de agosto de 2020
Busca
(67) 99826-0686
Campo Grande
32ºmax
19ºmin
Notícias

Vigilância abate bovinos para prevenir vaca louca

29 junho 2010 - 00h00Por Campo Grande News, por Fernanda Mathias.

A Superintendência Federal de Agricultura abateu, em Terenos, cinco bovinos alimentados com a chamada “cama de frango”, com dejeto de aves, o que pode causar contaminação e ocorrência de butolismo e até mesmo da Encefalopatia Espongiforme Bovina, o chamado “mal da vaca louca” .

Os abates foram no frigorífico Perin, acompanhados por técnicos da SFA. Nos próximos dias outros 18 animais serão submetidos a abates sanitários em Sidrolândia, pelo mesmo motivo.

Após denúncia os fiscais foram à propriedade de Terenos, onde estavam os animais alimentados com a cama de frango misturada à ração. O pecuarista também é avicultor.

A ração foi coletada e analisada no Laboratório Oficial do Ministério da Agricultura em Pedro Leopoldo (MG). O resultado comprovou a utilização do ingrediente proibido pela Instrução Normativa Mapa nº 41 (de 08.10.2009).

Além do abate, o proprietário que utilizar ingredientes de origem animal na alimentação de ruminantes,seja cama de aviário ou farinha de carne e ossos, entre outros, fica sujeito à multa e interdição da propriedade.

Após o abate, serão removidos e destruídos todos os materiais (órgãos) que representam riscos de transmissão da Encefalopatia Espongiforme Bovina.

Segundo o Fiscal Federal Agropecuário, Antonio Belarmino Machado Jr. do Serviço de Saúde Animal da SFA/MS, produtos de origem vegetal, além de leite e derivados não representam risco para a doença da “vaca louca”, sendo permitidos na alimentação de ruminantes. “O que a legislação do MAPA proíbe é o uso de proteínas de origem animal, inclusive a cama de aviário e os resíduos da exploração de suínos”, concluiu Antonio.