Menu
Busca segunda, 20 de maio de 2024
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
Previsão do tempo
17º
SOJA

Veja como fecharam os preços da oleaginosa no Brasil e em Chicago

Mercado segue de olho no clima dos Estados Unidos. Por enquanto, boletins indicam chuvas acima da média e temperaturas elevadas por lá

25 abril 2024 - 07h52Por Canal Rural

O mercado brasileiro de soja teve uma quarta-feira (24) de preços firmes, de estáveis a mais altos. Segundo a Safras Consultoria, poucos negócios foram reportados.

De manhã, quando os preços estavam melhores, houve registro de alguns lotes em praças importantes. Já na parte da tarde, quando os ganhos da soja em Chicago perderam força, as cotações internas também seguiram e a ponta vendedora se retraiu.

Preços da saca de 60 kg no país:

  • Passo Fundo (RS): avançou de R$ 123 para R$ 123,50
  • Região das Missões: passou de R$ 122 para R$ 122,50
  • Porto de Rio Grande: ficou inalterado em R$ 130,50
  • Cascavel (PR): avançou de R$ 122 para R$ 123
  • Porto de Paranaguá (PR): subiu de R$ 129,50 para R$ 130
  • Rondonópolis (MT): seguiu em R$ 116
  • Dourados (MS): permaneceu em R$ 116
  • Rio Verde (GO): estabilizou em R$ 114

Bolsa de Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quarta-feira com preços mistos. Em dia volátil, as posições encerraram próximas da estabilidade.

O mercado deu prosseguimento mais cedo ao movimento de cobertura de posições vendidas, de olho em fatores técnicos e acompanhando o clima e a evolução do plantio nos Estados Unidos.

Boletins indicam chuvas acima da média e temperaturas elevadas, o que poderia atrasar os trabalhos. Mas, em geral, por enquanto, não há ameaças iniciais ao potencial produtor nos Estados Unidos.

Qualquer reação encontrou resistência no cenário fundamental. A entrada da safra da América do Sul torna os preços dos Estados Unidos menos competitivos.

Contratos futuros

Os contratos da soja em grão com entrega em maio fecharam com baixa de 1,50 centavo de dólar, ou 0,12%, a US$ 11,66 por bushel. A posição julho teve cotação de US$ 11,81 1/2 por bushel, com perda de 0,50 centavo ou 0,04%.

Nos subprodutos, a posição julho do farelo fechou com alta de US$ 3,10 ou 0,89% a US$ 349,20 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em julho fecharam a 45,27 centavos de dólar, com baixa de 0,61 centavo ou 1,32%.

Câmbio

O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,38%, sendo negociado a R$ 5,1487 para venda e a R$ 5,1467 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,1247 e a máxima de R$ 5,1716.