Menu
Busca sábado, 24 de outubro de 2020
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
29ºmax
23ºmin
Notícias

Produtores de gado orgânico querem aumentar produção

26 julho 2010 - 00h00Por Folha de S. Paulo.

Com 16 fazendas e quase 50 mil animais no pasto, produtores certificados de gado "orgânico" de Mato Grosso do Sul preveem duplicar em menos de um ano a atual capacidade de oferta para a indústria, passando de 400 para mil cabeças mensais.

A produção atual, certificada pelo IBD (Instituto de Certificação Biodinâmico), é abatida integralmente pela rede JBS-Friboi, que paga de 10% a 18% a mais, em média, aos pecuaristas.

"Por se tratar de um nicho, nossa expansão neste mercado está muito vinculada à existência da demanda", diz Leonardo Leite de Barros, presidente da ABPO (Associação Brasileira da Pecuária Orgânica), entidade que reúne os produtores de Mato Grosso do Sul.

Segundo ele, uma das possibilidades de aumento na demanda depende do comportamento da economia europeia. "Se a crise se amenizar, provavelmente começaremos a embarcar carne orgânica para o mercado europeu ainda em 2010", diz.

As dez fazendas certificadas em Mato Grosso do Sul cumprem as exigências da União Europeia para carne orgânica, mas só três possuem o registro no Sisbov (sistema de rastreamento de bois do Ministério da Agricultura), outro requisito para as exportações. "As três propriedades concentram 89% dos animais encaminhados ao abate", afirma Barros. Outra possibilidade é o envio de carne orgânica processada para os Estados Unidos.

Em Mato Grosso, a produção de gado orgânico está concentrada na região de Tangará da Serra (230 km de Cuiabá) e também é abatida pela rede JBS-Friboi. São dez propriedades e mais de 60 mil cabeças. Os produtores locais, vinculados à Aspranor (Associação Brasileira de Produtores de Animais Orgânicos ), também falam com cautela sobre as perspectivas do mercado.

"Ficamos dois anos sem vender para a Europa [devido ao embargo decretado em janeiro de 2008 à carne in natura brasileira] e o mercado externo sumiu", afirma Henrique Balbino, presidente da Aspranor. "Há perspectivas boas, mas somos dependentes de uma demanda concreta."