Menu
Busca terça, 05 de julho de 2022
Busca
(67) 3345-4200
Campo Grande
30ºmax
21ºmin
INOVAÇÃO

Primeiro remineralizador do RS tem avaliação técnica da Embrapa

O produto é resultado de pesquisa desenvolvida há quatros anos, com diferentes tipos de rochas e desempenho significativo, ao atender demanda dos produtores gaúchos

23 junho 2022 - 11h20Por Embrapa

Os gestores da Embrapa Clima Temperado receberam a visita da diretoria da Fida, empresa de calcários, minerais e fertilizantes, de Caçapava do Sul/RS, que vieram agradecer à Unidade de Pesquisa por ter disponibilizado um remineralizador de solos, sendo o primeiro produto apresentado ao mercado para o Rio Grande do Sul. O produto é resultado de pesquisa desenvolvida há quatros anos, com diferentes tipos de rochas e desempenho significativo, ao atender demanda dos produtores gaúchos.

Para Paulo Roberto Barbosa da Rosa, gerente comercial da empresa, o motivo da visita se deu pelo fato de terem conseguido registrar no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) produto desenvolvido pela parceria, o qual contém na sua composição resultados de pesquisa de uso de pós de rochas associados a outros minerais, originando o primeiro remineralizador do Estado. “Procuramos a Embrapa para divulgar essa conquista do produto registrado pelos órgãos competentes e também de propor a elaboração de outro produto ao mercado a base de silicato. Mas esse encontro é o primeiro passo dessa trajetória de construção”, disse.

“Além de obter o registro oficial do produto, algo importante a destacar é informar que esse é o primeiro produto do RS com estudos de avaliação agronômica realizados pela Embrapa”, disse o pesquisador responsável, Carlos Augusto Posser Silveira. Ele conta que a equipe já auxiliou no registro de mais dois produtos em outras regiões: água de xisto, em 2005, para o Paraná; e o fertilizante mineral simples, à base de rochas, em 2018, para São Paulo.

A pesquisadora Rosane Martinazzo comenta que os estados de Goiás, Minas Gerais e São Paulo estavam à frente do Rio Grande do Sul na apresentação de produtos para esta finalidade agrícola. “Agora o Estado se equipara aos demais, pois possui seu remineralizador. Embora a Unidade de Pesquisa, em Pelotas, já tenha uma experiência desde 2005 com esses estudos”, completa.

Produto tem potencial agrícola

O pesquisador Carlos Augusto Posser Silveira contou que a pesquisa se iniciou em 2018, quando a Fida procurou a equipe de pesquisa para propor a associação de produtos para geração de um remineralizador de solos. “Nós fizemos trabalhos de pesquisa com diversas culturas como soja, milho, arroz irrigado, tabaco e  capim-elefante em casas de vegetação. A Fida repassou todas as caracterizações (química, petrográfica e mineralógica) do produto, conforme as exigências da legislação feita pelo Mapa e fizemos as combinações com as fontes tradicionais de fósforo e potássio. Através de desenhos estatísticos verificamos os efeitos, otimizando fósforo e potássio, ao reduzir em 50% as fontes tradicionais desses minerais, mantendo a produtividade das culturas. Ou seja, fica mais barato para o produtor e ele não perde a eficiência no desenvolvimento da sua cultura”, explicou.

Conforme Paulo Barbosa da Rosa, o produto já registrado, comercialmente denominado “Mineraliza Fida”, é um rejuvenescedor do solo, garantindo maior conservação. “Teremos retorno dos produtores neste momento, quando utilizarem o produto, mas ao acompanhar a pesquisa aplicada pela Embrapa em áreas experimentais os resultados foram excelentes. Isto motiva a Fida em expandir seu portfólio de produtos”, comentou.

O sentimento dos pesquisadores da equipe de trabalho é gratificante. Pois a pesquisadora Rosane Martinazzo diz que a empresa ao apostar na elaboração de um novo produto, ela passa a fazer parte do "risco tecnológico". “As empresas sofrem pressão pelas demandas que chegam dos produtores, e ao nos envolver na avaliação do produto, as empresas também sofrem pressão por não saberem se o produto será viável”, observou.

O produto estudado pela Embrapa apresentou também o aumento da massa seca das plantas superior a 15%, quando comparada com o tratamento controle (que teve redução de 50% das doses recomendadas de fósforo e de potássio). Ao mesmo tempo, a massa seca foi igual, quando comparado ao tratamento padrão (dose de 100% de PK).   

O remineralizador 

O novo remineralizador é derivado de três rochas selecionadas. Contendo em sua composição minerais ricos em nutrientes necessários para atender às exigências das plantas cultivadas e do solo em si. Porém, os efeitos mais significativos foram sobre a eficiência de uso do fósforo e do potássio. 

Segundo Posser, além deste remineralizador, mais dois produtos foram testados e também farão parte do portfólio de produtos da Fida e seus outros parceiros. "Estávamos estudando mais três produtos, além deste registrado. Mas, com certeza, dois desses três seguirão o mesmo caminho do novo remineralizador”, esclareceu. O novo remineralizador ainda será lançado oficialmente no segundo semestre deste ano.

Acompanharam a agenda o chefe-geral, Roberto Pedroso de Oliveira, o chefe adjunto de TT, Enilton Fick Coutinho, o assessor de P&D, Gustavo Heiden, o coordenador do Núcleo Temático Agricultura Familiar, Alberi Noronha, e os pesquisadores Carlos Augusto Posser Silveira e Rosane Martinazzo. Pela Fida, compareceram o gerente comercial, Paulo Roberto Barbosa da Rosa, e os representantes técnicos  Itajara Teixeira e Alexandre Silveira. A reunião aconteceu no dia 7 de junho.